VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Economia

Mercado financeiro

Delação de Joesley leva ao 1º "circuit breaker" na Bolsa, desde 2008

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Ibovespa termina sessão com 8,8% de queda aos 61.597 pontos
PUBLICIDADE

O conteúdo explosivo da delação do empresário Joesley Batista teve efeitos drásticos sobre o mercado de ações, que viu ressurgir a figura do "circuit breaker", mecanismo de defesa contra oscilações demasiadamente bruscas. Logo no início dos negócios, uma onda de operações de zeragem de posições levou o Índice Bovespa a cair até 10,70%, levando à interrupção das operações por 30 minutos. Com o fim das correções, a queda se desacelerou e o Ibovespa terminou o dia aos 61.597,05 pontos, em queda de 5.943,20 pontos ou 8,8% - a maior em um único dia desde 22 de outubro de 2008, última vez em que o circuit breaker havia sido acionado. O volume de negócios somou R$ 24,8 bilhões.

Só ações de exportadoras fecharam o dia em alta
As quedas foram generalizadas na Bolsa, só poupando ações de empresas exportadoras, que refletiram a alta de 8,07% do dólar ante o real. Fibria ON (+11,48%) e Suzano PNA (+9,86%) foram as principais altas do Ibovespa. Vale ON e PNA subiram 0,07% e 0,39%, respectivamente, também refletindo a alta do dólar. As ações de empresas estatais, que refletem em grande parte o risco político, se destacaram em queda. Banco do Brasil ON caiu 19,91%, enquanto Eletrobras ON perdeu 20,97%. As ações da Petrobras perderam 11,37% (ON) e 15,76% (PN). Com o resultado desta quinta-feira, o Ibovespa anulou todos os ganhos de maio e passa a contabilizar perda de 5,82% em maio e uma alta de 2,27% em 2017.

Dólar teve sua terceira maior alta da história
O dólar marcou a terceira maior alta da história ante o real, perdendo apenas para os dois episódios registrados durante a maxidesvalorização vista em janeiro de 1999, quando o Brasil abandonou o regime de bandas cambiais. O dólar à vista no balcão subiu 8,07%, fechando a R$ 3,3868, o maior nível desde 16 de dezembro do ano passado. O giro registrado pela clearing de câmbio da B3 foi de US$ 2,056 bilhões, bastante forte para a média recente. O dólar futuro para junho avançava 7,42% por volta das 17h15, a R$ 3,3805. O volume de negócios era de US$ 30,195 bilhões.

Contrato de DI para julho ficam em 10,76%
O mercado de juros fechou com a maioria das taxas nos limites de oscilação máxima, que foram ampliados excepcionalmente nesta quinta-feira. Durante a tarde, algumas taxas até chegaram a, brevemente, sair das máximas, em linha com a redução de pressão vista na Bolsa e no dólar. Ao final da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para julho de 2017 (679.455 contratos) fechou em 10,760%, de 10,361% no ajuste de quarta-feira, 17. O DI janeiro de 2018 (296.905 contratos) encerrou na máxima de 10,075%, de 8,975% no ajuste de ontem. A taxa do DI janeiro de 2019 (330.030 contratos), também no limite de alta, terminou em 10,41%, de 8,81%. Nos longos, a taxa do DI janeiro de 2021 (147.665 contratos) fechou na máxima de 11,39%, de 9,59%.
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Presidente do BC tenta acalmar mercado após dólar avançar 8%

Ilan Goldfajn afirma que em meio a crise política trabalho da autoridade monetária e do Tesouro deve ser sereno e firme

Muito a temer

Mercado avalia que crise política pode provocar suspensão dos investimentos, fuga de capital e elevação das taxas de juros

CONSULTORIA EMPRESARIAL

Como liderar seus pares

Investidor deve manter cautela

Mercado sofre turbulência com nova crise política e Tesouro chega a suspender venda de títulos

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic