VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sábado, 24 de Junho de 2017
Opinião
19/06/2017

Qual o destino da Uenp?

Uma universidade cada vez mais sucateada e servidores desmotivados por promoções que não são concedidas

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Em meio ao embate entre o governo do Estado e as maiores e mais estruturadas universidades estaduais em torno da questão da autonomia universitária, a reportagem "Uenp mantém orçamento sem bloqueios" (Folha Norte Pioneiro, 07/06) destaca que a universidade "mantém intacto seu programa" "conforme o previsto no orçamento de 2017". Indispensável esclarecer que orçamentos anteriores (2013, 2014, 2015, 2016) não foram liberados pelo governo por "restrição orçamentário-financeira".

A Uenp é a mais jovem das sete universidades públicas do Paraná e sobrevive em um cenário de flagrante precariedade estrutural e escassez de recursos, além da precarização das condições de trabalho de seu minguado quadro de pessoal. As pró-reitorias ainda não possuem quadro estável de funcionários e funcionam com a prestação de serviços de estagiários; as progressões e promoções de docentes e servidores técnico-administrativos não são pagas regularmente; não existe serviço de apoio pedagógico ou psicossocial para a comunidade universitária, assim como também não existem restaurantes universitários e moradias estudantis nos três campi que a compõem.

O quadro de docentes em regime temporário (Cres) acaba atendendo às demandas de expansão dos cursos propostos pelo próprio governo, que não amplia o quadro permanente. Essa situação causa sobrecarga de trabalho para os docentes e prejudica o desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Além disso, oculta e, sobretudo, naturaliza o problema de falta de docentes efetivos na instituição.

A situação da Uenp é emblemática nesse sentido: criada sem as estruturas necessárias para gestão de pessoal, integra desde o início, o sistema RH Meta 4. E, muito embora o governador tenha se comprometido em 2015 a criar a estrutura necessária para que a jovem universidade começasse a exercitar a autonomia universitária e pudesse alçar maiores voos na busca pela articulação entre ensino, pesquisa e extensão, isso ainda não aconteceu.

Os resultados são orçamentos elaborados ano a ano como "peças de ficção", uma universidade cada vez mais sucateada e servidores desmotivados por promoções que não são concedidas. Essa situação vem levando à utilização de diversas estratégias de sobrevivência, simplificada não raro pela busca de recursos alternativos junto ao setor privado, cobranças de taxas etc. Processos sinuosos de privatização e precarização.

Enfim, não podemos encontrar outra expressão, senão contrassenso, frente à citada reportagem. A Uenp, historicamente, vem "suportando" limitações na gestão financeira e de pessoal marcada pela diversidade dos discursos políticos que a produziram e constituíram. Discutir o futuro da Uenp, na sua "juventude institucional", exige um permanente e bem coordenado esforço coletivo no plano interno na defesa da gestão democrática, da autonomia universitária tão necessária ao desempenho de seu papel de estimuladora do desenvolvimento regional do Norte do Paraná e da participação política e do controle da comunidade nos seus assuntos.

Refutar a autonomia universitária prevista legalmente e concebida como a capacidade de direção que a universidade possui em relação aos anseios do mercado e do Estado constitui um risco. Um risco de rompimento do tecido acadêmico da educação superior fazendo com que esse patrimônio - da população e como tal um bem público inestimável - seja sucateado, transformado em ruínas físicas e acadêmicas.

Defendemos uma Uenp estruturada, autônoma e que seja instrumento do desenvolvimento regional, do futuro, essa é nossa luta.

MARIA CRISTINA CAVALEIRO é docente da Uenp (Universidade Estadual do Norte Pioneiro) - campus Cornélio Procópio
■ Os ar­ti­gos de­vem con­ter da­dos do au­tor e ter no má­xi­mo 3.800 ca­rac­te­res e no mí­ni­mo 1.500 ca­rac­te­res.
Os ar­ti­gos pu­bli­ca­dos não re­fle­tem ne­ces­sa­ria­men­te a opi­nião do jor­nal. E-­mail: opi­niao @ fo­lha­de­lon­dri­na.com.br
Maria Cristina Cavaleiro
Continue lendo
5
Continue Lendo
2-1-50-1441-20170619
2-1-50-1474-20170619
2-1-50-1451-20170619
2-1-50-1440-20170619
2-1-50-1439-20170619
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados