VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Folha 2
12/08/2017

AOS DOMINGOS PELLEGRINI

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Schutterstock
Schutterstock


Estrelas

Porque tem tanta estrela, pai? – o menino pergunta e o pai fica coçando o queixo.
- Você não sabe, né, pai?
- Sei. Tem tanta estrela porque Deus criou.
- E porque Deus criou tanta estrela, pai?
O pai coça o queixo.
- Tem de perguntar pra Deus.
- E Deus responde?
O pai só coça o queixo, o menino fala olhando as estrelas:
- A mãe diz que eu tenho de cuidar das minhas coisas. Tudo que é meu, eu tenho de cuidar.
O pai balança a cabeça admirado, ora, quem diria:
- Tem uma coisa crescendo na tua cabeça, sabia? É, uma coisa chamada juízo!
Mas o menino mal ouve, apontando o céu:
- E tem estrela cadente porque Deus não cuida?
O pai abre a boca para falar, fecha, enfim suspirando fundo. O menino então suspira fundo também, e é um homenzinho quem fala:
- Também é muita estrela pra cuidar, né. Quantas estrelas o céu tem, pai?
O pai solta um assobiozinho, ih:
- Tem mais de mil trilhões de quinquilhões de estrelas, é um número infinito, um número que nunca acaba, porque o mundo das estrelas também não tem fim.
O menino fica coçando o queixo até se perguntar:
- Mas quem foi até lá pra saber que não tem fim?
O pai volta a suspirar e só. O homenzinho cruza os braços encarando o céu onde vai subindo a lua.
- Pra que existe lua, pai?
- Deixa a lua pra outro dia.
- Então hoje eu vou contar as estrelas.
O pai até engasga antes de falar:
- Como vai contar as estrelas, guri, se só sabe contar até cem?
O menino faz voz segredante:
- Aprendi ontem, pai: cada cem, eu abro um dedo... – abre os cinco dedos - Então cada mão vai ter quinhentas estrelas!
O pai faz cara de espanto com a boca em ó.
- E tem a outra mão, pai, mais quinhentas!
O pai fala pertinho e piscando:
- Quinhentas mais quinhentas, mil! Aí você faz um risquinho de caneta num dedo... Depois conta mais mil, outro risquinho noutro dedo, e vai contando até...
O pai abre os braços:
- Até ter dez mil estrelas nas mãos!
O menino olha as mãos, depois volta a olhar o céu e começa a contar em voz alta: uma, duas, três, quatro... Em cinquenta, a voz baixa, mas volta a subir em noventa, chega a cem quase gritando, o pai aplaude, o menino estica um dedo. Primeiras cem, fala alto, e continua a contar: um, dois, três...
Quando a mãe chega, fala oi, amor, como ele está?
- Está dormindo com mais de mil estrelas!

Dalva Vidotte/ Divulgação
Dalva Vidotte/ Divulgação


Notícia da Chácara

MIRRA PARA QUÊ?
Que florada do pé de mirra! Mas você perguntará qual a importância da mirra, se até já foi, junto com ouro e incenso, um dos presentes dos reis magos ao menino na manjedoura.
Naquele tempo, com a mirra se curava ou prevenia infecções, talvez até no corte do cordão umbilical. Os egípcios usavam em rituais religiosos e na mumificação, e até na Idade Média ainda seria usada para odorizar funerais e cremações. Sua fumacinha cheirosa conviveu ecumênica com o incenso em missas e na umbanda.
Mas aqui entre nós, na chácara a mirra serve só para florir. Colhemos ramas floridas, colocamos em cálices e levamos para as mesas, as escrivaninhas, os criados-mudos – que, por serem mudos, não agradecem. Mas nós agradecemos: pela delicadeza das flores e sutileza do perfume, e por nos lembrar de esquecer mágoas e amarguras, ressentimentos e birras, florindo como a mirra, a agradecer a graça de viver.
d.pellegrini @ sercomtel.com.br
CONTINUE LENDO
PARA TODAS AS IDADES

Apresentações do FILO tomam às ruas

Nesta 49ª edição, são três espetáculos gratuitos; festival segue até 27 de agosto

Lembranças do pai

O encantamento pela corrida espacial e o amor pelas plantas estão entre as memórias que guardo dele

SUCESSO

A música é um trem que não para

Cantora e compositora Ana Vilela comemora sucesso de 'Trem Bala' e lança novo single que fará parte de seu primeiro álbum produzido pela gravadora Som Livre

FILO

A poética anárquica de Artaud

Espetáculo da Taanteatro, que estreia no FILO neste domingo, mostra vida e obra do dramaturgo e poeta francês Antonin Artaud

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados