VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quinta-feira, 20 de Julho de 2017
Cidades
28/11/2008

Uma rua dividida em duas

Um nome diferente em meio a várias vias com denominações indígenas, a Flamengo ainda é separada pela Avenida Brasília

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Fotos: Fábio Ciquini
Abaixo da rodovia a rua só tem casas e uma oficina; na outra parte aparecem uma escola, bares e outros estabelecimentos
Rogério Batista, torcedor do Londrina, não vê problema na via fazer alusão a um time de futebol

Os torcedores mais fanáticos poderiam criticar que Londrina tem as ruas São Paulo, Santos e Flamengo, mas não tem Palmeiras, Corinthians ou Fluminense. É claro que os nomes de cidades paulistas não fazem menção aos times de futebol. Mas e a Rua Flamengo, perdida entre várias ruas de nomes indígenas na Vila Yara (Zona Leste)?
Flamengo, segundo o dicionário, é relativo à região de Flandres, na Europa. Também é uma variação da palavra flamingo, uma ave de plumagem cor-de-rosa da América do Sul. Ou seja, não há qualquer relação com a língua ou cultura indígena. A rua ganhou esse nome por meio de uma lei municipal de 1966, que não especifica o porquê desse nome. Ou seja, o que motivou seu autor a inserir o Flamengo na vila Yara é um mistério.
Outra peculiaridade da rua é o fato de ela estar dividida em duas partes: acima e abaixo da avenida Brasília (BR-369). Para ir da metade inferior para a superior de carro, só dando uma volta enorme por outras ruas. Se abaixo da rodovia a rua só tem casas e uma oficina, na outra parte ela tem a Escola Estadual João Sampaio, sacolão, bares e outros estabelecimentos.
''Precisamos andar três quilômetros para ir à farmácia ou à padaria'', comenta Rogério Antônio Batista, que tem uma microempresa na metade de cima da rua, mas se solidariza com seus vizinhos da ''segunda divisão'' da rua Flamengo. Segundo o presidente do bairro, Vinícius Yoma Bueno, a prefeitura estuda um projeto que vai resolver o problema por meio da mudança de sentido de algumas ruas.
Quanto à rua fazer alusão a um time de futebol, Batista não vê o menor problema, embora torça pro Londrina e seja da Falange Azul. Batista só diz não concordar com a idéia de se dar o nome de um time a uma rua. ''Acho que os nomes das ruas têm que homenagear pessoas que fizeram coisas importantes para a cidade. Imagina um palmeirense tendo que morar na rua Corinthians?'', questiona.
Mas, se o futebol suscita rivalidades, entre as duas divisões da rua a relação é pacífica. Morador do lado mais tranquilo da via há mais de 20 anos, o pedreiro aposentado José Ferreira, 65 anos, diz ter acompanhado o desenvolvimento do bairro, e que a rua manteve-se pacata com o passar do tempo. Sem ter do que reclamar, ele sequer tem problemas com o time que dá nome à rua. ''Não torço para nenhum time, não gosto de futebol'', assume.
Da metade de cima, o mecânico Jaime Norberto Crotti, 48 anos, também diz não ter o que reclamar nem do bairro, onde nasceu e cresceu, nem da Rua Flamengo, endereço da sua oficina há seis anos. Ele admite que até já se habituou a ouvir eventuais brincadeiras. ''Às vezes eu dou o endereço e tenho que ouvir comentários como 'é o melhor time do mundo'. Tem que aguentar, né?'', revela este santista, que acha que o time rubro-negro vai ficar fora da Libertadores.
Adriana Ito
Reportagem Local
CONTINUE LENDO

SEU DIREITO

PARTILHA DE BENS

Sua Saúde

ANDADOR

FALA, CIDADÃO

Quais serão seus principais desafios como prefeito?

Quem deve julgar os índios?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou da Justiça Federal; No PR e SC são oito indígenas presos por crimes diversos

Mais uma família perde tudo em incêndio

Um casal e o neto moravam no imóvel, localizado no Centro de Ibiporã, desde fevereiro; curto-circuto pode ser a causa do acidente

Solidariedade - Londrinenses ajudam desabrigados de SC

Defesa Civil está centralizando as doações. Empresas privadas também se mobilizaram

Veneno é recolhido do Ribeirão Apertados

Trabalho da força-tarefa é mais uma iniciativa importante para salvar manancial, mas ainda há muito a fazer

‘Aperto’ deve ter fim neste sábado

Inauguração do Terminal Guaraituba deve desafogar o sistema de transporte coletivo de Colombo, na RMC

Psiquiatras para ajudar na solução de crimes

Casos envolvendo crianças chocam a sociedade; especialistas alertam que é preciso levar em conta doenças mentais nos assassinos

Capital arrecada 450 ton. para doação

Roupas, sapatos, comida, material de limpeza e água são levados todos os dias para municípios de Santa Catarina

Quem deve julgar os índios do Brasil?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou Federal

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados