VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Terça-feira, 30 de Maio de 2017
Cidades
28/11/2008

Quando o perigo está nos pais

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Arquivo Folha
Rachel foi morta no início do mês, caso permanece sem solução

Curitiba - Casos de mães que matam os próprios filhos são chocantes. Mas não são poucos, levando em conta a quantidade de casos que vêm a público, por exemplo, de bebês recém-nascidos assassinados ou abandonados para morrer, e de criancas mortas por negligência ou abusos. Os estudos da especialista Sheila Wendler ajudam a orientar a polícia na busca por suspeitos.
De acordo com a psiquiatra, mães solteiras e de baixa renda são maioria, como autoras, nos casos de assassinato de recém-nascidos com até 24 horas de vida. Já durante o primeiro ano da crianca, a mãe assassina pode ser afetada pela depressão pós-parto. Mas há outros fatores de influência. Negligência no cuidado com os filhos é um deles. O aumento do uso de drogas baratas e poderosas -nos EUA é o "meth", a metanfetamina, enquanto no Brasil é o crack- deve ser levando em conta, diz Sheila.
Já nos casos de assassinatos de crianças com até 12 anos, a suspeita inicial sempre recai sobre os pais, diz a médica: "Dentro dessa faixa etária, os primeiros a ser investiugados pela polícia são os pais, por estranho que possa parecer". Ela explica que este procedimento, adotado pela polícia norte-americana, não é opinativo, e sim resultante de acompanhamentos e estatísticas. E costuma ser eficiente(B.M.)
Continue lendo
36
Continue Lendo
2-1-30-20630-20081128
2-1-30-20618-20081128
2-1-30-20619-20081128
2-1-30-20621-20081128
2-1-30-20622-20081128
2-1-30-20623-20081128
2-1-30-20648-20081128
2-1-30-20656-20081128
2-1-30-20670-20081128
2-1-30-20671-20081128
2-1-30-20672-20081128
2-1-30-20673-20081128
2-1-30-20676-20081128
2-1-30-20677-20081128
2-1-30-20696-20081128
2-1-30-20697-20081128
2-1-30-20698-20081128
2-1-30-20702-20081128
2-1-37-20705-20081128
2-1-37-20706-20081128
2-1-30-21331-20081128
2-1-30-21401-20081128
2-1-30-20627-20081128
2-1-30-20628-20081128
2-1-30-20629-20081128
2-1-30-20631-20081128
2-1-30-20632-20081128
2-1-30-20633-20081128
2-1-30-20634-20081128
2-1-30-20642-20081128
2-1-30-20643-20081128
2-1-30-20679-20081128
2-1-30-21241-20081128
2-1-30-21242-20081128
2-1-30-21243-20081128
2-1-30-21295-20081128
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados