VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sábado, 24 de Junho de 2017
Cidades
28/11/2008

Cultura é desprezada, afirma antropóloga

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Levar em consideração a cultura indígena para tentar entender um evento classificado como criminoso pelo nosso sistema jurídico é o primeiro passo para realmente dar garantias de ampla defesa aos índios. No entanto, a analista pericial em antropologia do Ministério Público Federal (MPF) em Londrina, Luciana Ramos, alerta que o Brasil ainda engatinha nesta direção.
Responsável pela elaboração dos laudos antropológicos, ela aponta que a própria legislação brasileira reconhece que os índios são portadores de uma cultura diferente da nossa. ''Muitas vezes o que na nossa sociedade é crime numa sociedade indígena não é'', pondera. De acordo com ela, essa compreensão mais ampla pode evitar dupla punição porque as próprias sociedades indígenas também têm leis próprias.
O laudo antropólogico auxilia a Justiça a compreender todas estas nuances e avaliar se determinado ''evento'' pode ser enquadrado como crime dentro do nosso sistema jurídico. ''Os laudos trazem, primeiro, um contexto geral da cultura do grupo e, depois, analisa o evento específico. O que fazemos é tentar compreender os sistemas cultural e jurídico do grupo e entender o grau de agressividade ou reprovabilidade daquele ato dentro daquela cultura'', esclarece Luciana. No entanto, os procuradores e promotores não têm obrigação legal de requisitá-lo ou, se pedido, de considerá-lo como peça essencial para formar seu convencimento.
Luciana critica, ainda, que o mais comum é a realização de um laudo psicológico, que pouco auxilia na compreensão do ato praticado e pode até interferir no direito à ampla defesa. ''A Justiça Estadual, sobretudo aqui no Paraná, está tentando se instrumentalizar para compreender a questão indígena mas isso é raro. De maneira geral, acho que estes índios não são bem assistidos'', opina. (L.A.)
Continue lendo
36
Continue Lendo
2-1-30-20671-20081128
2-1-30-20618-20081128
2-1-30-20619-20081128
2-1-30-20621-20081128
2-1-30-20622-20081128
2-1-30-20623-20081128
2-1-30-20648-20081128
2-1-30-20656-20081128
2-1-30-20670-20081128
2-1-30-20672-20081128
2-1-30-20673-20081128
2-1-30-20676-20081128
2-1-30-20677-20081128
2-1-30-20696-20081128
2-1-30-20697-20081128
2-1-30-20698-20081128
2-1-30-20702-20081128
2-1-37-20705-20081128
2-1-37-20706-20081128
2-1-30-21331-20081128
2-1-30-21401-20081128
2-1-30-20627-20081128
2-1-30-20628-20081128
2-1-30-20629-20081128
2-1-30-20630-20081128
2-1-30-20631-20081128
2-1-30-20632-20081128
2-1-30-20633-20081128
2-1-30-20634-20081128
2-1-30-20642-20081128
2-1-30-20643-20081128
2-1-30-20679-20081128
2-1-30-21241-20081128
2-1-30-21242-20081128
2-1-30-21243-20081128
2-1-30-21295-20081128
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados