VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Terça-feira, 25 de Abril de 2017
Cidades
28/11/2008

Cacique cobra punição e mais segurança

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Muito embora os caingangues tenham suas próprias leis para crimes leves cometidos dentro de suas áreas, o líder maior da Reserva Apucaraninha, o cacique Juscelino Vergílio, não vê problemas em se respeitar também a lei do branco. ''A gente tem que respeitar as nossas leis e as leis dos não índios. Criminoso tem que pagar e ir para a cadeia para aprender'', sentencia.
O cacique ensina que na aldeia quem comete faltas graves, como crimes de morte, paga com o exílio forçado: ''vai para outra aldeia, fica lá e não pode nem pisar aqui mais''. Mas ele acha que só isso ''não é castigo''. ''Acho que ele tem que responder na lei dos brancos e ir a julgamento. Como cacique, não posso segurar o índio na reserva porque gera mais conflito.''
Nas reservas caingangues também existem cadeias mas apenas para crimes leves como desordem e brigas entre marido e mulher. ''Se brigar, ficam lá dois dias e depois saem. Quando bebe, fica meio valente e não deixa ninguém dormir vai para lá até o outro dia'', cita Vergílio.
O cacique reclama que não só a Justiça Comum deveria agir mas também a Polícia dos brancos. Ele aponta que a população mais que dobrou nos últimos 10 anos - passou de 700 em 1999 para 1.500 indivíduos atualmente - e os problemas aumentaram na mesma proporção. ''Tem rapaziada que estuda fora, na cidade, e dá muito problema'', lamenta. Outra situação são os brancos que invadem a reserva para assaltar. ''Eles entraram e apontaram arma na cabeça de uma índia. Fui em Tamarana pedir ajuda para a Polícia Militar mas falaram que não podiam. A Polícia Federal também não veio. A gente se reuniu em mais de 100 índios escondido na estrada para pegar eles (sic) mas não vieram mais.''
Por tudo isso, ele engrossa o coro dos que querem leis mais modernas para os povos indígenas. ''Para a gente que é cacique tem hora que não dá para controlar. Tem que passar a Patrulha Rural aqui para dar segurança'', pede. (L.A.)
Continue lendo
36
Continue Lendo
2-1-30-20670-20081128
2-1-30-20618-20081128
2-1-30-20619-20081128
2-1-30-20621-20081128
2-1-30-20622-20081128
2-1-30-20623-20081128
2-1-30-20648-20081128
2-1-30-20656-20081128
2-1-30-20671-20081128
2-1-30-20672-20081128
2-1-30-20673-20081128
2-1-30-20676-20081128
2-1-30-20677-20081128
2-1-30-20696-20081128
2-1-30-20697-20081128
2-1-30-20698-20081128
2-1-30-20702-20081128
2-1-37-20705-20081128
2-1-37-20706-20081128
2-1-30-21331-20081128
2-1-30-21401-20081128
2-1-30-20627-20081128
2-1-30-20628-20081128
2-1-30-20629-20081128
2-1-30-20630-20081128
2-1-30-20631-20081128
2-1-30-20632-20081128
2-1-30-20633-20081128
2-1-30-20634-20081128
2-1-30-20642-20081128
2-1-30-20643-20081128
2-1-30-20679-20081128
2-1-30-21241-20081128
2-1-30-21242-20081128
2-1-30-21243-20081128
2-1-30-21295-20081128
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados