VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cidades
28/11/2008

Cacique cobra punição e mais segurança

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Muito embora os caingangues tenham suas próprias leis para crimes leves cometidos dentro de suas áreas, o líder maior da Reserva Apucaraninha, o cacique Juscelino Vergílio, não vê problemas em se respeitar também a lei do branco. ''A gente tem que respeitar as nossas leis e as leis dos não índios. Criminoso tem que pagar e ir para a cadeia para aprender'', sentencia.
PUBLICIDADE

O cacique ensina que na aldeia quem comete faltas graves, como crimes de morte, paga com o exílio forçado: ''vai para outra aldeia, fica lá e não pode nem pisar aqui mais''. Mas ele acha que só isso ''não é castigo''. ''Acho que ele tem que responder na lei dos brancos e ir a julgamento. Como cacique, não posso segurar o índio na reserva porque gera mais conflito.''
Nas reservas caingangues também existem cadeias mas apenas para crimes leves como desordem e brigas entre marido e mulher. ''Se brigar, ficam lá dois dias e depois saem. Quando bebe, fica meio valente e não deixa ninguém dormir vai para lá até o outro dia'', cita Vergílio.
O cacique reclama que não só a Justiça Comum deveria agir mas também a Polícia dos brancos. Ele aponta que a população mais que dobrou nos últimos 10 anos - passou de 700 em 1999 para 1.500 indivíduos atualmente - e os problemas aumentaram na mesma proporção. ''Tem rapaziada que estuda fora, na cidade, e dá muito problema'', lamenta. Outra situação são os brancos que invadem a reserva para assaltar. ''Eles entraram e apontaram arma na cabeça de uma índia. Fui em Tamarana pedir ajuda para a Polícia Militar mas falaram que não podiam. A Polícia Federal também não veio. A gente se reuniu em mais de 100 índios escondido na estrada para pegar eles (sic) mas não vieram mais.''
Por tudo isso, ele engrossa o coro dos que querem leis mais modernas para os povos indígenas. ''Para a gente que é cacique tem hora que não dá para controlar. Tem que passar a Patrulha Rural aqui para dar segurança'', pede. (L.A.)
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

SEU DIREITO

PARTILHA DE BENS

Sua Saúde

ANDADOR

Uma rua dividida em duas

Um nome diferente em meio a várias vias com denominações indígenas, a Flamengo ainda é separada pela Avenida Brasília

FALA, CIDADÃO

Quais serão seus principais desafios como prefeito?

Quem deve julgar os índios?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou da Justiça Federal; No PR e SC são oito indígenas presos por crimes diversos

Mais uma família perde tudo em incêndio

Um casal e o neto moravam no imóvel, localizado no Centro de Ibiporã, desde fevereiro; curto-circuto pode ser a causa do acidente

Solidariedade - Londrinenses ajudam desabrigados de SC

Defesa Civil está centralizando as doações. Empresas privadas também se mobilizaram

Veneno é recolhido do Ribeirão Apertados

Trabalho da força-tarefa é mais uma iniciativa importante para salvar manancial, mas ainda há muito a fazer

‘Aperto’ deve ter fim neste sábado

Inauguração do Terminal Guaraituba deve desafogar o sistema de transporte coletivo de Colombo, na RMC

Psiquiatras para ajudar na solução de crimes

Casos envolvendo crianças chocam a sociedade; especialistas alertam que é preciso levar em conta doenças mentais nos assassinos

Capital arrecada 450 ton. para doação

Roupas, sapatos, comida, material de limpeza e água são levados todos os dias para municípios de Santa Catarina

Quem deve julgar os índios do Brasil?

Especialistas debatem se responsabilidade é da Justiça comum ou Federal

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados