VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais

Teatro encerra evento

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

''Ubasute Yama'', ou, em português, jogar os idosos na montanha, é uma lenda japonesa que conta a história de um pequeno vilarejo que abandonava seus moradores com mais de 70 anos. Toshikazu Kawamura, 59 anos, nasceu em Yamaguchi e veio ao Brasil quando tinha dez anos. No domingo, interpretou o rei na peça que encerrou o evento. Ele conta que, primeiro, fez os idosos presentes chorarem. ''Isso foi quando eu, como rei, mandei jogar idoso no mato.'' Kawamura explica que a lenda nasceu de histórias de invernos rigorosos, quando não se tinha alimentos suficientes e a solução encontrada era deixar os mais velhos de lado.
PUBLICIDADE

A fábula ganha ares mais alegres quando se aproxima de seu final. A idosa, deixada no mato aos pés da montanha pela filha, é convocada para ajudar. O regente feudal vizinho queria a guerra e propõe um desafio que considera impossível: fazer um nó com cinzas. A senhora dá a resposta: basta colocá-las no fogo com uma palha. A filha, arrependida, traz a mãe de volta, para viver escondida no porão.
Como o reino vizinho realmente busca a guerra, propõe mais um desafio e manda duas éguas, mãe e filha, que parecem absolutamente iguais. Mais uma vez, a filha pede ajuda a sua mãe. ''Mas isso é fácil e eu posso ajudar.'' A senhora dá alimento aos animais e logo avisa. ''Esta que está comendo primeiro é a filha, pois a mãe sempre faz isso: dá espaço para a sua cria.'' O conhecimento, mais uma vez, mantém a paz entre os reinos.
Depois de fazer os idosos presentes chorarem, Kawamura, o rei da peça, apresentada trechos em português e outros em japonês, viu eles sorrirem. ''No final, o rei anuncia que não se deve mais deixar os mais velhos abandonados, pois foi a sabedoria de um deles que salvou o vilarejo. Foi aí que os olhos da platéia brilharam.''
No cinema
A lenda já foi retratada no cinema no longa-metragem ''A Balada de Narayama'' (1983), do veterano Shohei Imamura. A relação com a velhice e a morte é tema recorrente no cinema japonês. Akira Kurosawa tratou da questão em diferentes momentos de sua carreira, como em ''Viver'' (1952) e ''Madadayo'' (1993), seu último filme como diretor. Neste, acompanhamos um costume nipônico: ano após ano, um senhor comemora que ainda tem mais tempo a viver, gritando ''Madadayo'', ou seja, ''ainda não'', em uma ode à vida. (R.U.)
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Canal Babel

Diversidade radical é o combustível da TV Comunitária, há 10 anos no ar

LIGEIRAS

Dos sem-namorados

CENA

LEVITANDO NO ESTÁDIO

Interagindo

A Câmara dos Deputados aprovou a recriação da CPMF, com o nome de CSS. O que você acha disso?

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic