VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Cadernos Especiais
10/08/2017

Regras claras e objetividade, pede a construção civil

"Nunca vai deixar de haver áreas para a verticalização e nós vamos continuar trabalhando com o que está na lei", alerta presidente de Sindicato

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Sérgio Ranalli
Sérgio Ranalli - Para as construtoras, a cidade é sua matéria-prima, por isso plano deve garantir o desenvolvimento econômico e a qualidade de vida dos moradores
Para as construtoras, a cidade é sua matéria-prima, por isso plano deve garantir o desenvolvimento econômico e a qualidade de vida dos moradores


O Plano Diretor é ferramenta cotidiana das construtoras e incorporadoras, já que todo empreendimento parte da definição de uma localização e um terreno. Assim, a construção civil é um dos segmentos mais interessados em mudanças que ocorram nas regras. "O atual Plano Diretor não tem regras claras e isso atrapalha muito, não só a construção civil, mas o comércio, os serviços, todo mundo. As leis atuais foram aprovadas com intervalos muito longos, com emendas não discutidas e algumas mudanças fizeram com que muita gente ficasse irregular do dia para a noite", pondera o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Norte do Paraná (Sinduscon Norte/PR), Rodrigo Zacaria.
PUBLICIDADE

A falta de clareza nas regras é, segundo ele, muito mais preocupante para o setor da construção civil do que questões referentes ao zoneamento. "Nunca vai deixar de haver áreas para a verticalização e nós vamos continuar trabalhando com o que está na lei. Nossa preocupação é com a cidade, porque se a atividade comercial, a atividade industrial, os serviços vão bem, a economia vai sendo alimentada e isso é bom para todo mundo", argumenta. Zacaria também tem a expectativa de que o Ippul possa ter mais autonomia para agilizar e desburocratizar os processos.

Para a diretora de incorporação da construtora Quadra, Fernanda Pires, tem-se uma visão equivocada de que as construtoras querem obter vantagens sobre os parâmetros urbanísticos. "A cidade é nossa matéria-prima e, se ela for prejudicada por problemas de circulação ou superpopulação, por exemplo, ela fica desvalorizada e isso não é interessante para a construção civil.

TÉCNICA
O segmento costuma acompanhar de perto as revisões do Plano Diretor. "As construtoras muitas vezes passam por vilãs, mas nós temos instrumentos técnicos e uma visão da cidade que pode contribuir muito", argumenta. Fernanda espera que a revisão deixe o Plano Diretor mais objetivo e menos burocrático e não promova mudanças que possam tornar ineficientes o processo de desenvolvimento da cidade. "Quando você tem um papel em branco, você pode escrever qualquer coisa. Quando falamos do centro da cidade, por exemplo, não é mais um papel em branco. Na última revisão, foram modificados alguns parâmetros ali que inviabilizaram nosso trabalho no centro e contribuíram para a geração de vazios. Aí os empreendimentos vão para áreas novas, onerando o poder público, que precisa oferecer a infraestrutura básica", exemplifica.

Regras objetivas também estão entre as expectativas do diretor de incorporação da A.Yoshii, Silvio Muraguchi, em relação ao processo de revisão, que, para ele, deve ter como diretriz a melhora na qualidade de vida da população. "Esperamos que o novo Plano Diretor respeite o potencial construtivo já existente e seja simples e objetivo o bastante para facilitar a análise e a aprovação de projetos futuros, proporcionando melhor qualidade de vida para todos os londrinenses. Acreditamos que para planejar é necessário saber aonde queremos ir. O desafio é grande devido às muitas variáveis, conflitos, definições e conceituações que necessitam convergir para um mesmo caminho", avalia. (J.G.)
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
LONDRINA

Uma cidade em constante transformação

Há poucas semanas foi lançada oficialmente a revisão do Plano Diretor, e este é o momento dos diversos setores da sociedade civil e da iniciativa privada participarem, para que o novo Plano Diretor seja capaz de traduzir os anseios de todos os cidadãos londrinenses

O boom da energia fotovoltaica

Desde 2012, o brasileiro pode gerar sua própria energia elétrica a partir de fontes renováveis e "vender" excedente para a Copel

Técnicas da vovó estão em alta na decoração

Tricô, macramê e, principalmente, o crochê têm sido protagonistas em almofadas, puffs, cachepôs e no que mais a criatividade permitir

Plantas na decoração: ambientes mais aconchegantes e saudáveis

As plantas ajudam a compor o estilo e a identidade de um ambiente, além de promover a sensação de tranquilidade, ensina arquiteta

Piso e parede com mesmo revestimento

A prática tem se tornado cada vez mais comum na construção, deixando o espaço mais harmônico e contínuo, além de promover a sensação de amplitude

PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados