VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quinta-feira, 23 de Março de 2017
Cadernos Especiais
24/06/2007

Hipnose a serviço da Justiça

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Reconhecida nas variadas áreas, a hipnose é adotada como técnica auxiliar também na investigação policial. Para essa vertente, dá-se o nome de hipnose forense. O serviço é prestado à Justiça como forma de suporte aos esclarecimentos, em especial quando há ausência de detalhes referentes a um delito. Sob essa perspectiva, casos de assalto, sequestro, estupros e atropelamentos incluem-se na lista.
Especialista em Hipnose Clínica e Ericksoniana, o cirurgião-dentista Edson Zaher Rosa, de Itapetininga (SP), explica. ''A hipnose forense é muitíssimo eficaz e usada nos casos em que a vítima, que sofreu agressão ou delito, passou por um processo de bloqueio mental ou trauma originado por fortes emoções decorrentes do ato criminoso''.
Importante ressalva: a hipnose não se constitui em prova. Funciona, sim, como eficaz método auxiliar à resolução de casos muitas vezes tidos como insolúveis.
Vítimas, testemunhas... Diante das apresentações, por que não estender a hipnose forense aos criminosos? Segundo Edson, pelo mesmo poder que faz com que uma sessão seja bem ou mal sucedida: a mente. ''A hipnose em si parte do pressuposto de que toda hipnose é uma auto-hipnose, ou seja, o hipnólogo é o guia que mostra o caminho. Com base nisso, podemos dizer que um suspeito até poderia ser hipnotizado, mas, uma vez apresentando forte resistência, dificilmente se concentraria a ponto de confessar um crime, convertendo-se em grande obstáculo para o hipnólogo''.
Incluída no protocolo das técnicas de hipnose convencional (clínica), a hipnose forense, segundo Edson, não apresenta ''segredo nenhum''. É o método clássico a serviço da Justiça. ''A hipnose forense baseia-se numa boa empatia entre profissional e vítima (paciente), bom relaxamento físico e mental, promoção de um transe eficaz e aprofundado e na regressão de memória'', afirma.(T.N.)
Continue lendo
7
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagem
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados