VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 28 de Junho de 2017
Cadernos Especiais
18/06/2008

Estudar: uma regra

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Arquivo Folha
A desembargadora Lídia Maejima conta que para seus pais, dar educação aos filhos era quase uma ‘‘obsessão’’
O engenheiro Massaru Onishi aprendeu a língua japonesa à luz do lampião e até hoje faz os cálculos de suas obras em japonês
Na família de Paulino Matsuzaki, estudar era uma regra

  Tsuneo Maejima era filho único de uma tradicional família no Japão. Catedrático em Letras, tocava o negócio familiar de caixas para presentes. Veio a recessão e as vendas dos produtos da família Maejima despencaram. Assim, ele resolveu apostar no sonho brasileiro. Na década de 1930, aquele homem com título de doutor chegou para encarar a lavoura e ganhar o suficiente para reerguer a empresa que ficara no Japão. Acabou ficando no Brasil e fez o pé-de-meia trabalhando nos cafezais.
  Quem conta essa história é a neta de Tsuneo, a desembar-gadora Lídia Maejima, que hoje atua no Tribunal de Justiça do Paraná. O imigrante criou dez filhos, entre eles, o pai da desembar-gadora, Miguel, que ao lado da esposa Izabel criou outros sete filhos - seis mulheres e um homem - todos graduados pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).
  ‘‘Era quase uma obsessão dos meus pais dar instrução para os filhos. Preferimos levar prejuízo financeiro do que macular o nosso nome. A educação é a base de tudo’’, destaca Lídia Maejima.
  O médico Paulino Matsuzaki é filho de imigrantes do pós-guerra. Seus pais chegaram ao Brasil em 1952 e o destino da família também foi a lavoura. Depois de quatro anos, o patriarca Hisanao se aventurou
pela compra e venda de alimentos,
e prosperou.
  Na família Matsuzaki, estudar também é regra. ‘‘Minha avó passou o tempo da guerra em uma cidade do Japão que foi muito bombardeada. Ela contava que quando as sirenes de alerta soavam a ordem era pegar livros para levar para os abrigos, pois lendo se engana a fome’’, rememora.
  O estudo também está na história do engenheiro Massaru Onishi. Os pais dele chegaram ao Brasil em 1927 e se estabeleceram em Registro (SP). Em 1941, a família veio para Assaí.
  Entre os oito filhos da família Onishi, só os três mais velhos não conseguiram chegar ao diploma universitário. ‘‘A expectativa quando a família chegou era voltar ao Japão, por isso os mais velhos não entraram em escola brasileira. Mas quando
veio a guerra... Voltar era
impossível’’, explica.
  Onishi estudou em uma escola rural durante o dia e à noite estudava o japonês à luz de lampião. Segundo ele, a comunidade se organizava para ensinar a língua pátria às crianças. Cada noite era em uma casa. Até hoje o engenheiro faz os cálculos de suas obras em japonês. ‘‘Estudar era fundamental’’, finaliza. (W.S.)
Continue lendo
65
Continue Lendo
2-1-16-18028-20080618
2-1-16-16243-20080618
2-1-16-16244-20080618
2-1-16-16247-20080618
2-1-16-16248-20080618
2-1-16-16249-20080618
2-1-16-16250-20080618
2-1-16-16251-20080618
2-1-16-16252-20080618
2-1-37-16253-20080618
2-1-16-16255-20080618
2-1-37-16256-20080618
2-1-16-16517-20080618
2-1-16-16519-20080618
2-1-16-18026-20080618
2-1-16-18027-20080618
2-1-16-18029-20080618
2-1-16-18030-20080618
2-1-16-18031-20080618
2-1-16-18032-20080618
2-1-16-18033-20080618
2-1-16-18034-20080618
2-1-16-18035-20080618
2-1-16-18036-20080618
2-1-16-18037-20080618
2-1-16-18038-20080618
2-1-16-18039-20080618
2-1-16-18040-20080618
2-1-16-18041-20080618
2-1-16-18042-20080618
2-1-16-18043-20080618
2-1-16-18044-20080618
2-1-16-18045-20080618
2-1-16-18046-20080618
2-1-16-18047-20080618
2-1-16-18048-20080618
2-1-16-18049-20080618
2-1-16-18050-20080618
2-1-16-18051-20080618
2-1-16-18052-20080618
2-1-16-18053-20080618
2-1-16-18054-20080618
2-1-16-18055-20080618
2-1-16-18056-20080618
2-1-16-18057-20080618
2-1-16-18058-20080618
2-1-16-18059-20080618
2-1-16-18060-20080618
2-1-16-18061-20080618
2-1-16-18062-20080618
2-1-16-18063-20080618
2-1-16-18064-20080618
2-1-16-18065-20080618
2-1-16-18066-20080618
2-1-16-19102-20080618
2-1-16-19103-20080618
2-1-16-19104-20080618
2-1-16-19105-20080618
2-1-16-19106-20080618
2-1-16-19107-20080618
2-1-16-19168-20080618
2-1-16-19203-20080618
2-1-16-19204-20080618
2-1-16-19205-20080618
2-1-16-19206-20080618
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados