VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Avenida Paraná
Escritor e jornalista. Mora desde 1989 em Londrina. Trabalhou em diversos jornais, revistas e assessorias. Assina a coluna diária Avenida Paraná, na Folha de Londrina. Autor dos livros de crônicas "Diário de Moby Dick" (em parceria com o pai, Paulo Lourenço), "Repórter das Coisas" e "Aos Meus Sete Leitores". Casado com a jornalista Rosângela Vale, pai do Pedro, paulistano de certidão, pé-vermelho de coração. Conservador em política, liberal em economia, católico em religião. Em suma, um cronista em busca dos seus sete leitores.
Fale com Paulo Briguet
17/07/2017

O crime chinês

Homenagem ao escritor Liu Xiaobo, morto na última quinta-feira


Shutterstock
Shutterstock

Morreu na última semana, aos 61 anos, o escritor chinês Liu Xiaobo. Por sua luta em defesa da liberdade e da democracia na China, ele recebeu o Nobel da Paz de 2010. "Recebeu" é maneira de dizer; na verdade, Liu estava preso e foi impedido pelo governo comunista de viajar até Oslo para receber o prêmio. Na noite de entrega do Nobel, o dissidente chinês foi representado por uma cadeira vazia. Do cárcere, no entanto, ele fez saber ao mundo, por intermédio da esposa, que dedicava o Nobel da Paz às vítimas do massacre da Praça da Paz Celestial, ocorrido em junho de 1989. Essa ousadia de Liu Xia custou-lhe a prisão domiciliar.

Mas por que Liu estava preso? Qual foi o seu grande crime? Um só: pensar e escrever com o coração nas mãos. A palavra "coração", aqui, não deve ser tomada como sinônimo de emoções, mas no sentido tradicional bíblico, que o papa emérito Bento XVI define como "o centro da existência humana, uma confluência da razão, vontade, temperamento e sensibilidade, onde a pessoa encontra a sua unidade e orientação interior". Para o sistema totalitário, falar com a voz do coração é o mais hediondo dos crimes. O Partido Comunista Chinês jamais poderia lhe perdoar a façanha.

Os regimes comunistas têm uma obsessão especial em perseguir escritores que não aderem à "causa do partido". Com sua condenação, Liu passou a fazer parte do panteão onde habitam Boris Pasternak, Ossip Mandelstam, Anna Akhmatova, Alexander Soljenítsin, Joseph Brodsky, Nicolae Steinhardt, Heberto Padilla, Reinaldo Arenas e tantos outros. Esses homens e mulheres dedicaram suas vidas a escrever em nome da verdade — e a verdade costuma ser o exato oposto do "realismo socialista".

Liu Xiaobo foi condenado a 11 anos de prisão por ser um dos principais redatores e signatários da "Carta 08", documento que pedia reformas democráticas na China e analisava os desastres do comunismo no país desde 1949, quando o genocida Mao Tsé-tung chegou ao poder. O texto, inspirado na "Carta 77" de Vaclav Havel, é uma peça histórica. Diz um trecho da carta:

"Os cidadãos chineses estão cada vez mais e com maior clareza reconhecendo que a liberdade, igualdade e direitos humanos são valores universais comuns compartilhados por toda a humanidade, e que a democracia, a república e o constitucionalismo constituem o arcabouço estrutural básico da governança moderna. Uma ‘modernização’ ausente destes valores universais e deste arcabouço político é um processo desastroso que priva os homens de seus direitos, corrói a natureza humana e destrói a sua dignidade".

Muita gente diz que o comunismo acabou, é coisa do passado. Basta olhar a Venezuela para saber que isso não é verdade. Se as forças totalitárias vencerem a democracia no Brasil, o nosso destino talvez não seja virar uma Venezuela. Aí seremos uma nova China — mas sem educação.

Fale com o colunista: avenidaparana @ folhadelondrina.com.br
por Paulo Briguet
31/07/2017

Alegrias de Atibaia

31/07/2017

Guarda meu nome para sempre

29/07/2017

A chegada de nossa santa

Há 60 anos, em uma fria manhã de chuva, Madre Leônia Milito chegava a Londrina

28/07/2017
AVENIDA PARANÁ

Triste visita ao campus

Uma amiga volta à universidade em que viveu tempos felizes. E conta o que viu

27/07/2017
AVENIDA PARANÁ

Marighella presidente

Qual seria o nosso destino se o líder comunista tivesse chegado ao poder no Brasil?

PUBLICAÇÕES ANTERIORES
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados