Vídeo com citação de Goebbels testa limites, diz especialista

Roberto Alvim, secretário de Cultura do governo federal divulga vídeo com inspiração no discurso e estética usado durante o governo nazista na Alemanhã

Pedro Moraes - Grupo Folha
Pedro Moraes - Grupo Folha

Vídeo com citação de Goebbels testa limites, diz especialista
Valter Campanato/Agência Brasil
 



Controverso desde sua chegada à Secretaria Especial de Cultura do Ministério da Cidadania, o dramaturgo Roberto Alvim encerrou sua participação no governo federal de forma deplorável. Se ao assumir o posto disparou em tom agressivo contra a atriz Fernanda Montenegro, em setembro passado, ele foi demitido nesta sexta-feira (17) pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em consequência da divulgação de um vídeo em que o discurso parafraseia o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels, além de a gravação se assemelhar na estética do poderoso assessor de Adolf Hitler.


Em nota oficial, Bolsonaro classificou o episódio como “infeliz” e ressaltou que, mesmo que Alvim tenha se desculpado, o episódio “tornou insustentável a sua permanência” no governo. “Reitero nosso repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas”, afirmou. “Manifestamos também nosso total e irrestrito apoio à comunidade judaica, da qual somos amigos e compartilhamos valores em comum”, acrescentou.




No discurso postado nas redes sociais, Roberto Alvim disse: “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada.” O texto original, datado de 8 de maio de 1933 em um pronunciamento para diretores de teatro, segundo o livro “Joseph Goebbels: uma Biografia”, de Peter Longerich, seria “A arte alemã da próxima década será heroica, será ferramenta romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada”.


TOLERÂNCIA

Na opinião do cientista político Rodrigo Prando, professor de Sociologia e Política da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o ato testa a paciência e a tolerância dos cidadãos. “Não podemos afirmar que o presidente ou o governo sejam nazistas, isso é um discurso equivocado. O Bolsonaro, até por sua origem militar, flerta com o autoritarismo, mas isso o próprio PT também faz”, compara Prando, que conclui. “No entanto, o incidente é sério, beira a afrontar os direitos humanos. Em casos como esse parece que os apoiadores do governo estão medindo os limites da sociedade e das instituições, que estão funcionando em sua plenitude”, diz.


De fato, as reações ao vídeo de Alvim foram imediatas. Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli dispararam contra o pronunciamento e cobraram uma resposta do governo. “O secretário da Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo”, afirmou Maia nas redes sociais antes da decisão de Bolsonaro. Já Alcolumbre, que é judeu, qualificou em nota o discurso de Alvim de “acintoso, descabido e infeliz”. Por fim, Toffoli disse que a fala foi “uma ofensa ao povo brasileiro”.


Ao longo da manhã, deputados e senadores entraram em contato com o Palácio do Planalto cobrando a exoneração do secretário de Cultura. Segundo relatos, líderes da comunidade judaica, cujo apoio ao governo é considerado estratégico pelo presidente, também pediram a Bolsonaro a demissão de Alvim. Vale recordar que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, compartilha de simpatia pública por Bolsonaro, tendo sido um dos poucos chefes de estado presentes na posse em janeiro do ano passado. (Com Folhapress)


CONTINUE LENDO:

Confederação Israelita diz que 'discurso nazista' é inaceitável

Regina Duarte é convidada para Secretaria de Cultura

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias