Base de Ratinho Jr. rejeita emenda e fixa "coronavoucher" em R$ 50


Mariana Franco Ramos - Grupo Folha
Mariana Franco Ramos - Grupo Folha

Curitiba - O plenário virtual da AL (Assembleia Legislativa) do Paraná rejeitou nessa terça-feira (7) uma emenda da oposição que complementava o auxílio do governo do Estado a ser pago para pessoas em situação vulnerável durante a pandemia de Covid-19. Com isso, o valor mensal do chamado coronavoucher, válido em princípio por três meses, ficou fixado em R$ 50.


Aprovado em segundo turno, o projeto de lei 219/2020 já segue para sanção do governador Ratinho Junior (PSD). Conforme o texto, haverá um limite de dois vouchers por família. Os recursos, provenientes do Fundo Estadual de Combate à Pobreza, serão usados exclusivamente para comprar alimentos que compõem a cesta básica. O Executivo estima gastar de R$ 50 milhões a R$ 65 milhões por mês, para atender até 1,5 milhão de famílias.




A bancada liderada pelo deputado Professor Lemos (PT) propôs aumentar o crédito para R$ 150, sendo R$ 100 para alimentos e R$ 50 para aquisição de medicamentos e material de higiene. No entanto, acabou derrotada. A base aliada a Ratinho é maioria na Casa.


De acordo com Tadeu Veneri (PT), há hoje aproximadamente R$ 240 milhões disponíveis no fundo e, segundo o IBGE, 307 mil pessoas na extrema pobreza no Paraná. O petista diz que, considerando os três meses de auxílio, o gasto chegaria a R$ 138,1 milhões, o que ainda deixaria um saldo de mais de R$ 100 milhões.


"É claro que queríamos dar mais, mas esses valores são fruto de um estudo técnico e financeiro minucioso que o governo fez. Vão ajudar e muito os paranaenses mais necessitados durante essa pandemia”, justifica o líder da situação, Hussein Bakri (PSD).


Por outro lado, a Assembleia aprovou duas outras emendas. Uma delas, de Bakri, considera aptas a receber o voucher pessoas maiores de 18 anos, que não sejam titulares de benefício previdenciário; de seguro-desemprego ou de programa de transferência de renda, ressalvando-se o Bolsa-Família. Elas devem ainda ter renda familiar mensal per capita não superior a meio salário mínimo ou renda familiar mensal total não excedente a três salários.




A segunda emenda, de Lemos, inclui as mães adolescentes no rol de beneficiários e estabelece que “a pessoa provedora de família monoparental poderá requerer o recebimento de duas cotas, independente do sexo". As prefeituras serão as responsáveis pela distribuição desses vouchers, que serão entregues por meio dos Cras (Centros de Referência da  Assistência Social).

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Continue lendo


Últimas notícias