|
  • Bitcoin 121.313
  • Dólar 5,2124
  • Euro 5,3307
Londrina

Geral

Atualizado em 30/03/2019, 00:17

Polícia Civil evita possível atentado contra IFPR de Palmas

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 29 de março de 2019

Fernanda Circhia - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
. .
. |  Foto: Divulgação/Polícia Civil

A Polícia Civil de Palmas (Centro-Sul) evitou um possível atentado contra alunos e professores do IFPR (Instituto Federal do Paraná) da cidade em operação realizada na manhã desta sexta-feira (29). Conforme o delegado Felipe Silva de Souza, a operação foi denominada como "No Limite" e foi iniciada às 6h com mais de 30 policiais para cumprir oito mandados de busca e apreensão referentes a sete alunos do IFPR.

De acordo com Souza, tudo começou com a localização de uma agenda encontrada por professores da instituição em 21 de março. "Nessa agenda havia um plano de atentado contra alunos e servidores do IFPR." Durante a operação, policiais apreenderam um revólver calibre 38, dez cartuchos, um simulacro, a agenda com o plano arquitetado, além de facas, equipamentos eletrônicos e cadernos que também continham informações relacionadas. "Na agenda, o estudante diz o que estava faltando para que conseguissem colocar o plano em ação. Por isso, essa primeira fase serviu para evitar o atentado tirando os equipamentos de circulação", explicou o delegado. A Polícia Civil segue com investigações. 

Em nota, o IFPR informou que após a localização da agenda foi constituída uma comissão disciplinar que ouviu todos os alunos envolvidos ou citados no plano, acompanhados por seus pais, ao longo de três dias. Em seguida, as polícias Civil e Militar foram acionadas. O IFPR esclareceu ainda que "tomou todas as medidas possíveis, tanto internas quanto externas, para a garantia da segurança da comunidade acadêmica. E que embora os fatos levantados por esta instituição educacional não apontassem riscos imediatos à integridade física de alunos e servidores, o IFPR desde o princípio colaborou com as autoridades competentes, que instauraram inquérito e ainda procedem com a investigação dos envolvidos".