VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Saúde
11/09/2017
CONTEÚDO PATROCINADO

Tempo seco pode agravar doenças respiratórias; saiba como reduzir risco

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Todo inverno é a mesma coisa: longos períodos de estiagem deixam o tempo mais seco e uma série de incômodos começa a aparecer, principalmente em crianças, idosos e naqueles que já convivem com doenças respiratórias crônicas, como asma, bronquite e rinite. Infelizmente, a única coisa capaz de resolver isso são boas doses de chuva. Mas alguns cuidados podem amenizar bastante o desconforto e prevenir dos prejuízos à saúde.
PUBLICIDADE

Toda mucosa do corpo humano precisa de um certo grau de umidade. Por isso, temos, por exemplo, a saliva, que mantém a boca úmida. Quando o tempo está muito seco, a mucosa fica desidratada e desprotegida, suscetível a infecções. "Os vírus e bactérias passam a agredir nosso sistema respiratório e a brigar com nossas defesas. Se ele vencer, você tem a exacerbação de doenças respiratórias crônicas, que pode evoluir para uma penumonia", alerta o pneumologista Denison Noronha Freire.

Segundo ele, nos períodos mais secos, o principal sintoma entre os pacientes é a tosse. "A cada dez consultas, oito são por tosse. Essa tosse tem causas variadas, mas a principal é as condições climáticas." Mas esse é só um dos muitos incômodos provocados pela baixa umidade do ar. "Tosse, pigarro, rouquidão, sangramento nasal, exacerbação da rinite, dor de garganta, garganta raspando, sensação de pressão no ouvido. Tudo isso é provocado pela desidratação da mucosa do nariz, garganta, laringe e faringe", complementa o otorrinolaringologista Allex Ogawa.

Prevenção

Segundo Ogawa, a forma mais simples de prevenir esse ressecamento da mucosa é colocar soro fisiológico no nariz várias vezes ao dia, além de beber bastante água. Se já houver algum tipo de inflamação, no entanto, a melhor saída é a inalação. "Se a mucosa estiver inflamada, ela perde mais água e vai precisar ter contato com água para se reidratar. Isso você consegue por meio da inalação. Apenas beber água não vai resolver."

Outra boa alternativa indicada pelos médicos é o umidificador de ar, que deve ser utilizado com parcimônia. "O excesso de umidade provoca o aparecimento de fungos, que também são prejudiciais, exacerbam a asma, a rinite. Muita gente dorme a noite toda com o umidificador ligado, mas o ideal é desligá-lo depois de quatro horas", alerta Freire.

Segundo ele, a boa e velha toalha úmida também é válida e é a ela que a professora Adriana Marques recorre quando chega a hora de desligar o umidificador. "O pediatra dos meus filhos me avisou que não deveria deixar o umidificador ligado a noite toda. Então, eu ligo por algumas horas e depois coloco uma toalha umedecida. Acho que assim resolve bem", conta.
Juliana Gonçalves
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Cuidado com a neurose

Depressão e distúrbios de ansiedade estão entre os principais problemas ocasionados por transtornos neuróticos

Grupo oferece apoio a neuróticos

Formado apenas por leigos, Neuróticos Anônimos aposta na troca de experiências para ajudar

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic