VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sexta-feira, 21 de Julho de 2017
Saúde
17/07/2017

Smartphones e tablets podem potencializar a dor

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O brasileiro gasta, em média, 3h14 do dia conectado ao celular, de acordo com levantamento realizado em 2016 pelo instituto Millward Brown Brasil. Considerando apenas os jovens, a média sobe para 4h. O que muitos não se atentam, porém, é que o uso exagerado e a postura inadequada quando se manuseia smartphones e tablets pode potencializar a dor crônica na coluna.

Isto leva à cervicalgia, dor localizada na parte posterior do pescoço e na nuca. "O movimento de ficar com a cabeça abaixada exige mais da musculatura. Crescemos para caminhar e por isso nossa coluna é ereta. Ficar muito tempo com o tablet ou celular faz com que a coluna fique fora do eixo, gerando muitas dores", explica o ortopedista especialista em cirurgia da coluna, Matheus Luis da Silva, de Londrina.



O tempo indicado, segundo o médico, para manusear estes aparelhos é de 30 a 40 minutos ao dia para não causar sobrecarga. Mais habituado com as ferramentas, o público jovem é o que mais sofre com os problemas cervicais em decorrência deste motivo. "Há cerca de quatro anos houve um aumento das pessoas mais novas que buscam tratamento para este problema. Geralmente os pais ficam preocupados com as dores do filho nas costas e pescoço e vão atrás de tratamento."

TERCEIRA IDADE
Também incluso nesta era tecnológica, os idosos que buscam tratamento para dores crônicas na coluna estão com outro perfil. "Os idosos também estão adquirindo dores cervicais em razão do mau uso do celular. Antes, vinha aquela pessoa da terceira idade que fazia crochê e ficava muito tempo com a cabeça baixa. Hoje não é mais assim", conta. Em posição ideal, com as orelhas alinhadas com os ombros, o peso transmitido ao pescoço é de aproximadamente 5 kg. Este valor pode chegar a 27 kg quando o pescoço é inclinado para frente.

Para prevenir a cervicalgia, Silva indica a realização de atividades físicas e cuidados com a alimentação. "O primeiro passo é a redução do tempo de uso destes aparelhos, além de elevar a altura. Outra questão é a alimentação saudável, com cereais, vegetais e legumes, pois isso fortalece a musculatura e elimina toxinas que o corpo produz. Também é indicado a prática de atividades, mas da forma correta, porque muitos acham que o trabalho do dia a dia é exercício, mas não é", elenca.

Com quem já convive com a dor, o especialista indica sessões de fisioterapia e exercícios domiciliares, como flexão no pescoço. Em pacientes fumantes e com etilismo, Silva aponta que a propensão a ter dores nas costas é muito maior, assim como o tratamento, que é mais difícil. "Essas substâncias fazem com que tenha o aumento de toxinas no corpo, interferindo nas dores", alerta.
Pedro Marconi
Reportagem Local
NOTÍCIAS RELACIONADAS
CONTINUE LENDO

A forma como crianças olham para o mundo

Estudo aponta que orientação visual social é fortemente influenciada por fatores genéticos; resultados abrem caminhos para entender o autismo

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados