VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sábado, 01 de Outubro de 2016
Saúde
20/08/2012

Exames identificaram 10 nódulos

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

''Se eu sobreviver o mundo me espera e ele é todo meu''. Durante um exame de rotina, Bruna (nome fictício) descobriu um nódulo no seio direito. Na época, há doze anos, o médico ginecologista que atendeu a vendedora disse que não era necessário intervir porque o problema devia ser acompanhado no próximo exame preventivo a ser realizado somente no ano seguinte. Ela conta que um ano depois procurou outro médico que pediu uma biópsia logo que identificou o nódulo. Exames mostraram que em vez de um, havia dez nódulos no local. ''Em apenas uma semana eu descobri que tinha câncer, fiquei sabendo que seria necessário retirar a mama e fiz a mastectomia'', contou.
Diante de uma notícia como esta, cada pessoa reage de uma forma e Bruna decidiu encarar o problema da melhor maneira possível: sorrindo. Ela explicou que a mama poderia ter sido reconstruída na mesma cirurgia em que foi feita a retirada, mas não quis. ''Falei para o médico que se a mama tinha estragado, que era para jogar fora porque naquele momento a saúde era mais importante do que a estética''. Para driblar a queda dos cabelos, ela fez duas perucas - uma com os cabelos doados pela irmã.
Foram necessários 24 pontos no peito da Bruna para fechar o corte da cirurgia. Além disso ela passou por um ano de quimioterapia e um mês com sessões diárias de radioterapia. Bruna ficou sem fazer a reconstrução da mama por três anos, neste período ela usava uma prótese que é colocada dentro do sutiã. ''Eu estava bem comigo mesma. Pensava que queria viver. Não parei de trabalhar em nenhum momento e isso me fez bem porque me mantinha ocupada'', lembrou.
A decisão de reconstruir a mama surgiu por acaso, quando a vendedora conheceu uma mulher que havia passado pelo procedimento. ''Fiquei curiosa e pedi para ela me mostrar como tinha ficado. Quando vi, fiquei com vontade de fazer'', afirmou. Foram várias cirurgias até o resultado final.
Além do contorno corporal, Bruna recuperou sua vida social. ''Eu me senti segura para voltar a procurar namorado depois de ter feito a reconstrução''. A cicatriz não incomoda a vendedora. ''Isso não é nada perto do crescimento pessoal e espiritual que tive com esta experiência. Passei a ver a vida de outra forma e valorizar mais cada momento''. (M.A.)
Continue lendo
11
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados