VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Reportagem

RPPN volta a funcionar em Mauá da Serra

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

História da reserva Monte Sinai se confunde com a de  Julio Cezar Chistoffoli
História da reserva Monte Sinai se confunde com a de Julio Cezar Chistoffoli


Durante cinco anos, a RPPN (Reserva Particular de Patrimônio Natural) Monte Sinai, em Mauá da Serra, recebeu animais apreendidos em toda a região de Londrina que precisavam da chamada "quarentena" antes de serem devolvidos à natureza. Apenas em 2013, foram soltas mais de 400 aves que, junto com outros projetos desenvolvidos no local, estão ajudando a recompor a biodiversidade da região. A atividade é cara e, por isso, a reserva contava com recursos do chamado ICMS ecológico. Há cinco anos, porém, o recurso foi suspenso e todas as atividades deixaram de ser realizadas. Quase cem animais sem condições de retornar para a natureza permaneceram acolhidos graças a investimentos próprios do proprietário da fazenda, Julio Cezar Chistoffoli. Em julho, após muita negociação, os recursos passaram a ser novamente depositados, o que vai garantir fôlego para retomar as atividades.
PUBLICIDADE

A história da reserva se confunde com a de Chistoffoli. Pioneiro na área de direito ambiental, ele fazia assessoria jurídica para uma empresa de reflorestamento desde 1971 e, em 1985, adquiriu a propriedade. "Quando comprei, já sabia que não seria totalmente produtiva", recorda ele, que hoje mantém 313 alqueires de área de preservação ambiental e 61 alqueires produtivos. A RPPN é uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) que busca restaurar a biodiversidade da mata. Para isso, mantém vários projetos que, em conjunto, estão garantindo a restauração da natureza de forma holística.

Um dos projetos é o Cetas (Centro de Triagem de Animais Silvestres), que estava sem receber animais e agora vai voltar a funcionar. Além disso, a reserva mantém projetos de restauração de orquídeas, abelhas, morcegos não hematófagos, inventário da fauna, taxidermia de animais mortos na rodovia e extração de ativos florais – cujo objetivo é encontrar substâncias para uso na área farmacêutica e de perfumaria. Os projetos são conveniados a universidades e, como resultado, estão promovendo a recuperação de 47 nascentes de rios.

Especificamente no Cetas, os animais apreendidos eram recebidos por um veterinário e um biólogo. "Restauramos a saúde e a alimentação para então soltar na floresta", conta. A diversidade de cantos em meio à mata comprova que o trabalho tem funcionado.

Quando os animais apreendidos não são da região, a solução é manter em cativeiro. Hoje, o Cetas conta com uma funcionária exclusivamente para tratar de papagaios e araras que se alvoroçam ao ouvir a voz de Chistoffoli perto dos viveiros. Nos anos em que a RPPN ficou sem os recursos do ICMS, ele investiu mais de R$ 300 mil de recursos próprios. A previsão é que consiga recuperar pelo menos os investimentos feitos em 2017 com o retorno dos repasses, que vão permitir também o investimento na readequação do Cetas com uma área mais adequada para armazenar alimentação e também laboratórios para os pesquisadores. Segundo o advogado, a previsão é que haja um investimento de R$ 30 mil mensais. Passada essa fase, ele tem planos "auspiciosos", que incluem a transformação de uma escola municipal em escola agrícola voltada à produção sustentável.(C.A.)
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic