VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Reportagem
15/07/2017

'Cuidamos sem esperar nada em troca'

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Gina Mardones
Gina Mardones -
"Fui criado pelos meus avós e enfrentei o desafio de cuidar dele no fim da vida por amor", revela Everton, que contou com o apoio da esposa Flaveli

O casal de comerciantes Everton Luiz Nascimento e Flaveli Pontes Nascimento estavam às voltas com o início da vida em comum e os cuidados com o filho bebê quando decidiram acolher na própria casa o avô de Everton, Inácio, que aos 87 anos já não tinha mais forças para enfrentar o câncer de próstata com o qual conviveu por 40 anos. "Fui criado pelos meus avós e enfrentei o desafio de cuidar dele no fim da vida por amor", revela ele, que na época trabalhava como garçom em dois estabelecimentos e contou com o importante auxílio da esposa para dar conta dos cuidados.
PUBLICIDADE

Com apoio da equipe de cuidados paliativos do Hospital do Câncer, os dois conseguiram proporcionar ao idoso cinco meses de vida digna e com qualidade. "O vô era sensacional, cuidamos dele sem esperar nada em troca", diz Flaveli. Eles relatam que a equipe instalou equipamentos hospitalares, como a cama, e os atenderam sempre que precisaram. "Não queríamos que ele ficasse no hospital e eles nos deram todo o apoio, inclusive com fraldas e medicamentos. Exigiu muito da gente na parte física, mas o vô ficou feliz. Valeu muito a pena", acreditam.

Os profissionais da equipe explicaram sobre como seria o comportamento do paciente e combinaram que o levariam para o hospital apenas quando não fosse mais possível cuidar dele na casa. Por isso, o avô ficou internado apenas por poucos dias, até finalmente "descansar". "Fomos muito bem acolhidos e o pessoal da equipe se transformou em amigos", contam.

Logo após a morte de Inácio, o casal – que tinha mantido em suspenso o plano de empreender em um restaurante – reuniu forças para finalmente começar o negócio, que está prestes a completar um ano de sucesso. "Temos certeza que ele está muito feliz, pois era o sonho dele também", alegram-se.(C.A.)
Carolina Avansini
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
DESPEDIDA DIGNA

Brasil não tem qualidade de morte

Falta de cuidados paliativos para quem não tem mais chance de cura coloca País nas últimas posições em ranking sobre piores lugares para morrer

DESPEDIDA DIGNA - HCL é pioneiro em cuidados paliativos

Hospital oferece atendimento exclusivo para pacientes terminais há uma década

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic