VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Reportagem
04/03/2017

CNI defende mudanças nas regras do PRT

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O programa de regularização tributária (PRT) do governo federal não agradou ao empresariado e é duramente criticado pela Confederação Nacional da Indústrias (CNI), que defende mudanças nas regras para deixá-lo mais atraente. Além de prazo curto, um dos pontos de maior crítica da CNI, o TRT não prevê a redução de multas, juros e encargos.
PUBLICIDADE

De acordo com a entidade, condições mais favoráveis para o parcelamento das dívidas são necessárias porque a crise econômica, que já perdura por três anos, debilitou as finanças das empresas brasileiras. Em 2016, o faturamento da indústria de transformação teve uma queda de 12,1% frente a 2015. Para o prsidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, é hora de dar um fôlego para os empresários e apenas recuperar o passivo fiscal.
O programa permite que a empresa com dívida com o fisco parcele o débito em até 120 meses e que as prestações tenham valores escalonados (primeiras parcelas com valores menores). Pode aderir ao TRT quem tinha dívida até 30 de novembro do ano passado.
O economista da CNI Mário Sérgio Carraro Telles explica que a inadimplência com o fisco tem um custo elevado que vai além das multas e dos juros. A empresa fica com o cadastro negativo, não pode obter financiamento em bancos públicos e fica impedida de participar de licitações. "Por isso, a regularização das dívidas tributárias é fundamental para a recuperação financeira das empresas e a retomada da atividade econômica", destaca Telles. (A.M.P)
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Linha de produção em ritmo lento

Indústria acumula três anos de retração nas vendas, mas setor aposta em estabilidade em 2017

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados