VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
13/09/2017

STF autoriza inquérito para investigar Temer e Rocha Loures

Investigação vai apurar suposto esquema que teria beneficiado empresa que atua no Porto de Santos; Michel Temer teria recebido R$ 1,28 milhão em propinas

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Beto Barata/PR
Beto Barata/PR - O presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) são suspeitos de corrupção e lavagem de dinheiro
O presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) são suspeitos de corrupção e lavagem de dinheiro


Brasília - O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou a abertura de um inquérito para investigar o presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), por suposto esquema que teria beneficiado a empresa Rodrimar, que atua no porto de Santos.
PUBLICIDADE

Em agosto, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou manifestação ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), reiterando pedido para abrir o inquérito. Fachin entendeu que os fatos não têm relação direta com Petrobras e pediu a redistribuição. Barroso foi sorteado relator.

Para Janot, há indícios de que eles tenham cometido os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na edição de um decreto sobre portos em favor da Rodrimar assinado em maio de 2017.

"A ninguém deve ser indiferente o ônus pessoal e político de uma autoridade pública, notadamente o Presidente da República, figurar como investigado em procedimento dessa natureza", escreveu Barroso ao autorizar o inquérito.
"Mas este é o preço imposto pelo princípio republicano, um dos fundamentos da Constituição brasileira, ao estabelecer a igualdade de todos perante a lei e exigir transparência na atuação dos agentes públicos. Por essa razão, há de prevalecer o legítimo interesse social de se apurarem, observado o devido processo legal, fatos que podem se revestir de caráter criminoso."

Ele destacou que há elementos indiciários mínimos que devem ser apurados.
"Deve-se enfatizar, porém, que a instauração de inquérito aqui deferida não implica qualquer prejulgamento nem tampouco rompe com a presunção de inocência que a Constituição assegura a todos os cidadãos brasileiros", disse o ministro.

PEDIDO
Janot já havia pedido para Fachin autorizar a abertura de uma investigação para apurar a participação de Temer e Rocha Loures no caso.

O ministro pediu então para Janot avaliar se era o caso de abrir novo inquérito ou reabrir um antigo, arquivado em 2011 e no qual Temer já havia sido alvo.

Agora, Janot respondeu opinando pela nova investigação, sob a justificativa de que surgiram fatos novos referentes ao caso. "Registre-se que entre os fatos [...] há um lapso temporal de mais de 15 anos. Além disso, verifica-se que o contexto fático a ser investigado é distinto", diz Janot no documento.

O procurador-geral também se manifestou a favor de que seja sorteado um novo relator para o caso. "Está-se aqui diante de pedido de abertura de inquérito. Basta, para tanto, a presença de indícios plausíveis de materialidade e autoria, sem o rigor aplicável quando esteja em questão o recebimento de uma denúncia, ato deflagrador da ação penal. No caso presente, há elementos suficientes para deferir o pedido do Procurador-Geral da República", escreveu Barroso na decisão.

SUSPEITAS
O pedido de nova investigação tem como base documentos apreendidos na Operação Patmos e interceptações telefônicas de Rodrigo Rocha Loures.
Em um dos telefonemas, Loures conversa com Gustavo do Vale Rocha, subchefe para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência, e pede para que seja acrescentada ao decreto uma norma para beneficiar empresas que obtiveram concessão para atuar em portos antes de 1993 -caso da Rodrimar em uma das áreas que explora em Santos.
Em outro grampo feito pela PF com autorização judicial, o ex-assessor do presidente conversa com um executivo da Rodrimar, Ricardo Mesquita, e dá informações sobre as articulações para a edição do decreto.

INVESTIGAÇÃO ANTIGA
A Rodrimar já foi citada em inquérito sobre Temer no STF. O presidente foi investigado sob suspeita de participar de um esquema de cobrança de propina de concessionárias do porto de Santos.

Uma planilha entregue à PF atribuía o pagamento de R$ 1,28 milhão em propinas, sendo metade para uma pessoa identificada como "MT". A polícia entendeu que as iniciais se referiam a Temer, então deputado federal, que já detinha foro privilegiado. A investigação foi remetida ao Supremo.

Em maio de 2011, o ministro Marco Aurélio Mello determinou que o então vice-presidente fosse excluído do inquérito. Ele atendeu a pedido da Procuradoria-Geral da República, que disse não ter encontrado provas suficientes contra o peemedebista.
Letícia Casado
Folhapress
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

CLÁUDIO HUMBERTO

"Estamos aqui para avançar na verdade, doa a quem doer"
Deputado Carlos Marun (PMDB-MS), relator da CPI Mista que investigará a JBS

LUIZ GERALDO MAZZA

"O fenômeno Lula é muito recente para que o desejo de seu retorno se caracterize como uma forma de sebastianismo"

INFORME FOLHA

O projeto que pretende reduzir de 300 para 100 metros a distância entre bares e escolas foi retirado da pauta na Câmara

NA PRAÇA

Em discurso, Lula se diz orgulhoso por "incomodar tanto"

Ex-presidente prestou segundo depoimento a Moro no âmbito da Lava Jato nesta quarta, em Curitiba

Prefeitura de Londrina determina que procuradores batam ponto

Medida atende recomendação da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e deve ser cumprida pelos 35 advogados públicos a partir de 1º de outubro

Outdoors em Curitiba protestam contra Lula, que depõe hoje

Dizeres como "A 'República de Curitiba' te espera de grades abertas #somostodoslavajato" recepcionam petista que será interrogado por Moro

OPERAÇÃO

PF prende Wesley Batista, presidente da JBS, em São Paulo

Além da prisão, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva de outro dirigente da empresa. Wesley é irmão de Joesley Batista, acionista da J&F, que está preso desde segunda-feira (11) em Brasília

ACUSAÇÃO

Lula: Palocci mentiu para conseguir benefícios da delação

O ex-presidente responde processo pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro; saiba tudo que aconteceu no depoimento de Lula ao juiz federal Sérgio Moro, na Justiça Federal em Curitiba

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados