VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 25 de Setembro de 2016
Política
01/05/2013

Salário mínimo regional vai subir 12,69% no Paraná

Beto Richa assina hoje decreto que estabelece nova variação - entre R$ 882 e R$ 1.018 - para categorias sem convenção coletiva

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Theo Marques/25-04-2012
‘‘A faixa mais baixa é 30% superior ao salário mínimo nacional’’, diz Romanelli

Curitiba - O salário mínimo regional do Paraná subirá 12,69% neste ano, oscilando entre R$ 882,59 e R$ 1.018,54. O reajuste será anunciado hoje, às 15 horas, pelo governador Beto Richa (PSDB). Ele assinará o decreto que estipula os novos valores durante festa organizada pela Força Sindical em frente ao Palácio Iguaçu, em Curitiba, marcada para começar ao meio-dia com uma missa do padre Reginaldo Manzotti. Sem a necessidade de passar pela Assembleia Legislativa (AL), os valores entram em vigor após a publicação do decreto no Diário Oficial.
''O salário mínimo regional é um piso para o trabalhador que não tem proteção sindical. No Paraná, ele impacta diretamente cerca de 700 mil pessoas, cujas categorias profissionais não têm sindicato próprio ou não possuem convenção coletiva'', explica o secretário estadual do Trabalho, Luiz Claudio Romanelli (PMDB). Criado em 2006 pelo ex-governador Roberto Requião (PMDB), hoje no Senado, as faixas de remuneração variavam entre R$ 427 e R$ 437,80. Ele defendia que o valor fosse ''praticável'', para continuar ''alavancando a geração de empregos''.
Em 2013, Beto Richa concede o maior aumento no mínimo regional desde o início de seu mandato, em 2011. ''A faixa mais baixa é 30% superior ao salário mínimo nacional (que é de R$ 678). A mais alta, supera em 50%'', aponta Romanelli. Em janeiro deste ano, o salário mínimo estipulado pelo governo federal chegou a R$ 678, 9% maior que em 2012. A comparação feita por Romanelli é questionada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), entidade de pesquisa mantida pelo movimento sindical.
''O salário mínimo nacional e o regional estão ambos muito aquém da necessidade dos trabalhadores. O Dieese calcula que uma família de quatro pessoas (dois adultos e duas crianças) precisa de uma renda mínima de R$ 2.824,92 para ter suas necessidades básicas atendidas. Quase não cobre a alimentação básica, calculada em R$ 884,34 em Curitiba'', alerta o economista Sandro Dias, supervisor técnico do Dieese no Paraná.
Dias também recorda que o reajuste de 12,69% corresponde àquilo que foi fixado em lei no ano passado, após negociação entre trabalhadores e patrões. ''Os empregadores disseram que não podiam acompanhar o aumento do mínimo nacional do ano passado (14%), então 'parcelaram' esse reajuste em 2012 e 2013. Ano passado, o Paraná teve um dos menores aumentos do Brasil. Neste ano, o acordo já firmado fez com que tivesse um dos maiores, pois os outros Estados aumentaram os mínimos regionais em cerca de 9% (igual ao nacional)'', explica Sandro Dias.
''Apesar dos avanços, ainda é muito baixo. Sabemos que não dá para avançar fortemente de um momento para o outro, por isso pedimos uma política de médio e longo prazo'', defende Sandro Dias, que reconhece a importância do mínimo regional como referência até para as categorias sindicalizadas. ''Vários fatores influenciam as negociações coletivas, mas não tem lógica um trabalhador sindicalizado receber a menos que o não-sindicalizado'', explica o superviso do Dieese.
Com o decreto assinado por Beto Richa, os trabalhadores da agricultura devem passar a receber R$ 882,59. Empregadas domésticas e outros profissionais do setor de Serviços passam a ter um piso salarial de R$ 914,82. No ramo industrial, o mínimo regional é de R$ 949,53. E os técnicos de nível médio, pela primeira vez desde 2006, terão um piso de ''quatro dígitos'', agora definido em R$ 1.018,94.


José Lazaro Jr.
Reportagem Local
Continue lendo
12
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados