VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
11/01/2017

Rosso mantém candidatura e Câmara ganha novo postulante

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Fotos: Leonardo Prado/Câmara dos Deputad
Fotos: Leonardo Prado/Câmara dos Deputad -
"Temos que dar transparência à administração", afirma Jovair Arantes (PTB-GO)


Brasília - Candidato à presidência da Câmara, o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), admitiu nessa terça-feira (10) que pode abrir mão de sua candidatura se, quando estiver mais próximo do pleito, avaliar que não conseguiu se viabilizar politicamente. Ele ressaltou que hoje sua candidatura está mantida. "Temos ainda 80% da campanha. Como política é igual a nuvem, nós imaginamos que a cada dia teremos surpresas. Não tenho nenhuma dúvida que essa é a eleição mais difícil da história da Câmara. Aquilo que parece, não é", declarou.
PUBLICIDADE

Apesar de parte de seu partido pressioná-lo a desistir, Rosso diz que da mesma forma que pode desistir, pode convencer outro a abrir mão da disputa. "O que está em jogo é uma coisa muito séria, que é a presidência da Câmara dos Deputados, que por essa configuração atípica dos próximos anos, será a vice-presidência da República. Não pode ser um vale-tudo, ter uma candidatura para marcar posição. A gente vai enfrentar matérias aqui que vão exigir 308 ou mais votos. A gente tem de evitar um racha. Esse é meu espírito: evitar qualquer tipo de racha", afirmou.


"A gente tem de evitar um racha. Esse é meu espírito: evitar qualquer tipo de racha", prega Rogério Rosso (PSD-DF)


Minutos antes do lançamento da candidatura de seu aliado, o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), Rosso disse que se dá bem com o deputado goiano, que mais para frente podem "somar" votos com ele, mas que Jovair também pode "ter o desprendimento" de desistir. "O projeto pessoal, e não falo do Jovair, quando você vai muito em cima dele e desconsidera consensos, pode ser um projeto muito 'self'", disse, em uma referência indireta a Rodrigo Maia (DEM-RJ), candidato à reeleição. Rosso insistiu que não há ciência exata na política e não quis revelar quando vai tomar a decisão de "somar" apoio a Jovair ou vice-versa.

Rosso disse que tem o apoio de "vários deputados de vários partidos" e afirmou que a Casa tem a tradição de não ter unanimidades nas bancadas. O parlamentar admitiu que tem mantido mais conversas telefônicas com os "eleitores-deputados".

JOVAIR
Jovair Arantes, que lançou oficialmente sua candidatura à presidência da Casa, disse que a Câmara precisa de um presidente que tenha coragem para fazer muitas mudanças. "Temos que dar transparência à administração. A sociedade tem que saber o que está acontecendo aqui. Nós temos que estabelecer horário de funcionamento dessa Casa, de acordo com que a sociedade possa entender. Chega de votações na madrugada", disse.

ELEIÇÃO
A votação para os 11 cargos que compõem a Mesa Diretora que comandará os trabalhos da Câmara dos Deputados entre 2017 e 2019 será no dia 2 de fevereiro. Serão eleitos o presidente, dois vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes. Para ser eleito, o candidato precisa de maioria absoluta dos votos em primeira votação ou ser o mais votado no segundo turno. A votação é secreta e realizada em cabines eletrônicas. (Com Folhapress)
Daiene Cardoso
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

CLAUDIO HUMBERTO

"Presos deveriam trabalhar no presídio para pagar suas despesas"
Roberto Jefferson, presidente do PTB e ex-presidiário no escândalo do mensalão

LUIZ GERALDO MAZZA

"Urge alguma mensagem que não se traduza em pânico ou perplexidade, como tem ocorrido, da parte da autoridade"

Ex-gestores de Londrina falam sobre investigação do TC

Administradores explicam por que não seguiram orientação do Tribunal de Contas para revogar o pagamento irregular de anuênio e quinquênio a comissionados

Gilmar justifica ausência no velório de Mário Soares

Presidente do TSE diz que crise de labirintite o impediu de assistir ao funeral do ex-primeiro ministro de Portugal e nega influência da viagem e o julgamento da ação que pede cassação da chapa Dilma-Temer

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic