VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
20/03/2017
DEFESA

Marcelo Odebrecht desiste de Dilma como testemunha na Lava Jato

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O executivo Marcelo Odebrecht desistiu de chamar a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) como sua testemunha de defesa em uma das ações na qual é réu na Lava Jato. O depoimento da petista estava previsto para a próxima sexta-feira, 24, mas os advogados de Marcelo comunicaram a desistência ao juiz Sérgio Moro na sexta-feira passada, 17.
PUBLICIDADE

A defesa do executivo, que fez delação premiada e deve deixar a prisão no final do ano, não informou os motivos que levaram a desistir da ex-presidente como testemunha. Em janeiro, o empreiteiro já havia desistido de 15 testemunhas arroladas inicialmente, incluindo o ex-ministro Guido Mantega e a ex-presidente da Petrobras Graça Fostes.

No começo deste mês, o ex-presidente da maior empreiteira do País depôs ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer, eleita em 2014, por abuso de poder político e econômico.

Na ocasião, em um depoimento sigiloso, ele afirmou que 4/5 dos recursos destinados pela empresa para a campanha da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer tiveram como origem o caixa 2. Segundo relatos, Marcelo afirmou que a petista tinha dimensão da contribuição e dos pagamentos, também feitos por meio de caixa 2, ao então marqueteiro do PT, João Santana. A maior parte dos recursos destinados ao marqueteiro era feita em espécie.

O valor acertado para a campanha presidencial da chapa reeleita foi de R$ 150 milhões. Deste total, de acordo com o empresário, R$ 50 milhões eram uma contrapartida à votação da Medida Provisória do Refis, encaminhada ao Congresso em 2009, e que beneficiou a Braskem, empresa controlada pela Odebrecht e que atua na área de química e petroquímica.

Palocci

Nesta ação penal em que Marcelo desistiu de Dilma como testemunha, a Procuradoria da República acusa o ex-ministro Palocci de atuar para favorecer a Odebrecht no governo federal e aponta que, graças ao ex-ministro, a empreiteira teria se beneficiado e vencido uma licitação de 2011 para a construção de seis sondas de exploração do pré-sal no valor de R$ 28 bilhões.

Além de Marcelo Odebrecht e Palocci, que respondem por corrupção e lavagem de dinheiro, outros 13 réus respondem a essa ação penal em Curitiba.

Não é a primeira vez que o empresário chama Dilma e Mantega para depor em sua defesa. Em maio ele já havia incluído a petista e o ex-ministro em outra ação penal, mas também acabou desistindo.
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

CLÁUDIO HUMBERTO

"Os senhores têm visto que tem sido uma festa"
Presidente Michel Temer sobre os saques nas contas inativas do FGTS em todo o país

Avanço 'transpartidário' da Lava Jato e reformas vão definir futuro de Temer

Leve melhora na situação econômica do país e a ação mais política que técnica do Judiciário ainda garantem sobrevivência política ao presidente

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados