VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
12/10/2017

Justiça nega pedido de defesa e mantém julgamento de Boca Aberta

Enquanto Câmara de Londrina define rito da sessão marcada para o próximo domingo, defensor do polêmico vereador afirma que vai apelar ao TJ

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Fernando Cremonez/CML
Fernando Cremonez/CML -
"Se a decisão for pela perda do mandato, o presidente da Câmara expedirá imediatamente o decreto legislativo de cassação", explica o procurador Miguel Aranega


A Câmara Municipal de Londrina divulgou nessa quarta-feira (11) o rito que será seguido na sessão de julgamento do vereador Emerson Petriv (PR), o Boca Aberta. Ele é acusado de suposto ato atentatório ao decoro parlamentar por pedir dinheiro na internet para pagar uma multa eleitoral. Marcada para domingo (15) às 8 horas, a sessão irá obedecer ao rito previsto no decreto federal 201/1967. A Justiça negou ontem o último pedido feito pela defesa do vereador que tentou o arquivamento de todo processo justificando que a CP (Comissão Processante) não teria respeitado os prazos da investigação.
PUBLICIDADE

A sessão será iniciada com a leitura de peças do processo, caso o pedido seja feito por qualquer um dos vereadores, incluindo o parlamentar denunciado. Na sequência, aqueles que desejarem poderão se manifestar verbalmente, pelo tempo máximo de 15 minutos. Após esta fase, será aberto o prazo para defesa de Boca Aberta. "O decreto-lei prevê que o denunciado, ou seu procurador, terá o prazo máximo de duas horas para produzir sua defesa oral. A Câmara vai seguir rigorosamente o que está previsto neste decreto", informou o procurador jurídico do Legislativo, Miguel Aranega Garcia.

A votação será aberta de forma nominal em ordem alfabética. Para cassação do mandato, serão necessários 13 votos ou dois terços dos 19 vereadores. "Se a decisão for pela perda do mandato, o presidente da Câmara expedirá imediatamente o decreto legislativo de cassação. Se o resultado da votação for pela absolvição, o presidente determinará o arquivamento do processo", detalhou Miguel Aranega.

JUDICIALIZAÇÃO
Enquanto a Câmara definia os preparativos da sessão, a defesa de Boca Aberta entrava com a 19ª ação judicial para tentar anular a investigação alegando que a CP teria extrapolado o prazo final de 90 dias de conclusão dos trabalhos. Porém, o mandado de segurança com pedido de liminar foi negado pelo juiz Emil Gonçalves, da 2ª Vara de Fazenda Pública, no início da noite de ontem.

No entendimento do magistrado o prazo termina no domingo (15). Isso porque no dia 18 de julho a Comissão precisou ser reiniciada após outra decisão judicial que exigiu a saída de Jamil Janene (PP) da presidência da investigação. Ou seja, foi feito novo sorteio no qual Eduardo Tominaga (DEM) passou a ser membro e Felipe Prochet (PSD) assumiu a presidência da CP. "Logo não prospera a primeira notificação recebida pelo impetrante que seria o marco inicial do prazo decadencial", escreveu o juiz.

Já a defesa argumentou que o prazo final dos trabalhos teria vencido na segunda-feira, dia 9 de outubro, três meses da data da abertura da investigação, antes do novo sorteio de membros. "Iniciando-se o prazo decadencial em 12.07.2017 (quarta-feira) - notificação válida para todos fins de direito. Tal prazo inaugurou-se mediante a aposição de assinatura do Impetrante na notificação lançada pela Comissão Processante (CP), (…) consumou-se a violação do prazo fatal de 90 (noventa) dias para conclusão dos trabalhos", argumentou o advogado Eduardo Duarte Ferreira. Ele informou que irá recorrer da decisão no Tribunal de Justiça. "Vamos tentar o recurso porque a decisão está equivocada."

Esquema de segurança na Câmara será reforçado
Em função da limitação de espaço físico, a Câmara de Londrina irá controlar o número de pessoas com acesso às galerias do prédio do Legislativo durante a sessão de julgamento no próximo domingo. O controle será feito por meio de cadastramento prévio e distribuição de senhas, nesta sexta-feira (13), das 9 horas às 12 horas e das 14 às 17 horas. Para o cadastro, o munícipe deverá apresentar cédula de identidade ou documento oficial com foto, CPF e comprovante de residência atualizado. O cadastro é individual e intransferível.

De acordo com o diretor-geral da Câmara, Sandro Morais de Medeiros, a medida visa a segurança dos munícipes, servidores, vereadores e demais profissionais presentes à sessão. "Segundo laudo do Corpo de Bombeiros, as galerias do prédio, que são o pavimento superior da Sala de Sessões, comportam no máximo 190 pessoas, portanto, este será o número de senhas distribuído. Assim poderemos organizar o fluxo de pessoas e garantir a segurança de todos."

A Câmara vai contar ainda com o apoio da Guarda Municipal e das polícias Civil e Militar. A intenção é evitar o que ocorreu na sessão de julho, início da abertura a CP, quando um tumulto entre apoiadores do vereador e a enfermeira Regina Amâncio acabou em empurra-empurra, agressões físicas e até um policial à paisana precisou sacar a arma. Naquela ocasião, não havia guardas municipais nem policiais militares. (G.M.)
Guilherme Marconi
Reportagem Local
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

INFORME FOLHA

A Câmara Municipal de Londrina promove no dia 25 de outubro uma audiência pública para debater o assunto

CLÁUDIO HUMBERTO

"Tudo dentro das normas jurídicas e do bom senso jurídico"
Relator da 2ª denúncia contra Michel Temer, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG)

LUIZ GERALDO MAZZA

"O ritual do beija mão e do câmbio de emendas opera com a maior tranquilidade no toma cá dá lá que expõe a torpeza das nossas práticas e como entendemos o exercício da política"

TCU determina bloqueio de bens de Dilma por prejuízo à Petrobras

De acordo com o Tribunal, ex-presidente e ex-membros da estatal teriam causado dano de R$ 580 milhões por compra de Pasadena

STF decide que parlamentar não pode ser afastado sem aval do Congresso

Por 6 votos a 5, os ministros do Supremo entenderam que ações que interfiram nos mandatos terão de passar pela Câmara e o Senado; medida beneficia Aécio Neves

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados