VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Segunda-feira, 24 de Julho de 2017
Política
19/05/2017
ESQUEMA

Joesley diz que 100% do seu negócio 'era com o presidente Michel'

A afirmação do empresário foi feita durante o depoimento em abril, no âmbito de sua delação premiada, no contexto em que Joesley explicava a conversa que teve com o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) sobre o pagamento de propinas ao grupo do PMDB

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Beto Barata/PR
Beto Barata/PR - Pronunciamento do Presidente da República, Michel Temer, à imprensa
Pronunciamento do Presidente da República, Michel Temer, à imprensa

O empresário Joesley Batista, dono da JBS, afirmou à Procuradoria-Geral da República que 100% dos "negócios" dele eram tratados diretamente com o presidente Michel Temer.


Leia Mais:

Não há ilegalidade em áudios gravados por Joesley, diz Fachin
Diretor da JBS entrega anotações sobre R$ 30 milhões para Temer
Maia já discute com técnicos legislativos sobre eleições indiretas
Lula e Dilma tinham US$ 150 milhões em 'conta' de propina da JBS, diz Joesley
Joesley diz que pagou cinco deputados para votarem contra impeachment de Dilma

A afirmação foi feita durante o depoimento prestado no dia 17 de abril, no âmbito de sua delação premiada, no contexto em que Joesley explicava a conversa que teve com o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) sobre o pagamento de propinas ao grupo do PMDB.

Quando questionado qual era o grau de conhecimento de Loures sobre a necessidade de manter 'calmo' o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB/RJ), Joesley disse que 'não sabia'.

E afirmou: "Quando era com o Geddel (Vieira Lima, ex-ministro da Secretaria de Governo) e o Michel era bastante consolidada a ideia de que todo mundo sabia do que estava acontecendo. Rodrigo eu conheci em uma ou duas conversas. Eu tive com ele umas três vezes. 100% do meu negócio era com o presidente Michel", afirmou.

Joesley explicou o esquema de pagamento de propinas a Eduardo Cunha a partir de contrato com a Petrobras para fornecimento de gás da Bolívia. Ele disse que com o contrato era possível obter lucro "de R$ 1 milhão, R$ 2 milhões, R$ 3 milhões por dia" e acertou com Rocha Loures o pagamento de 5% do lucro obtido.

O empresário afirmou que a Petrobras "atrapalhava seus negócios", uma vez que ele já tinha contrato com o governo boliviano e era obrigado a pagar propinas para que a estatal brasileira repassasse o produto.

"Infelizmente, as coisas ultimamente, ou faz, a vários tempos (sic), não funcionam se você não acertar propina com político e acertar uma propina e acertar um preço para as coisas andarem. Mesmo coisas do nosso dia a dia", disse.

Defesa

No dia 17, o presidente Michel Temer soltou a seguinte nota: "O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.

O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.

O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados."
Valmar Hupssel Filho, Fábio Fabrini, Fábio Serapião e Beatriz Bulla
A.Estado
CONTINUE LENDO

CLÁUDIO HUMBERTO

"Não roubarão nosso País de nós"
Deltan Dallagnol, procurador da Lava Jato, após a denúncia contra Michel Temer

FIM DA ERA TEMER

Maia já discute com técnicos legislativos sobre eleições indiretas

Parlamentares da base aliada afirmam que foi discutida a necessidade de elaborar uma nova lei para "ajustar detalhes" da legislação

'HOMEM DE TEMER'

Psol e Rede preparam pedido de cassação de Rocha Loures

Deputado do Paraná foi citado na delação de Joesley Batista por supostamente ter atuado no Conselho Administrativo de Defesa Econômica em troca de propina

LUIZ GERALDO MAZZA

"Que tal um novo dilúvio, agora de água benta, para a remissão dos nossos pecados?"

Aécio é afastado do cargo de senador e deixa comando do PSDB

Tucano diz que vai se defender da denúncia do MPF de que teria sido gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, dono da JBS

Lideranças do Paraná defendem renúncia de Temer e criticam Aécio

Políticos paranaenses apontam que não há mais condições para peemedebista permanecer na Presidência; deputado tucano pede a saída de Aécio do partido

Fachin autoriza abertura de inquérito contra Temer

Supremo vai apurar se o presidente da República cometeu crime de obstrução à Justiça com base na delação premiada dos irmãos Batista, do grupo JBS

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados