VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Terça-feira, 25 de Abril de 2017
Política
19/04/2017

Governo quer aumentar repasse a clínicas conveniadas do Detran

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Curitiba – O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), encaminhou mensagem à Assembleia Legislativa (AL) do Paraná aumentando de 50% para 100% a porcentagem a se repassada às clínicas conveniadas ao Departamento de Trânsito (Detran). A taxa diz respeito aos exames de "perícia técnica e médica especial". Segundo o Executivo, o objetivo é remunerar de forma justa os serviços, uma vez que muitas unidades não estariam se credenciando por falta de interesse. O documento prevê um custo total aos cofres públicos de R$ 266,5 mil.

A medida seria válida para todo o Estado, mas atingiria especialmente cidades do interior. Isso porque, também conforme a matéria, hoje o atendimento de toda a demanda se restringe a Curitiba, Londrina, Maringá e Cascavel, "gerando grande tempo de espera por parte dos usuários". "A falta de interesse de clínicas credenciadas para prestação de exame médico especial decorre do alto custo na manutenção de junta de médico", diz trecho da justificativa. Antes de ser votada em plenário, a matéria precisa do aval das comissões temáticas da Casa.

O governador cita ainda questionamentos do Ministério Público (MP) quanto à lotação e funções desenvolvidas pelos profissionais do Detran da capital paranaense, ocupantes de cargos em comissão. De acordo com o líder em exercício do governo na AL, Hussein Bakri (PSD), esses trabalhadores seriam demitidos. "Não haverá nenhum peso ao consumidor. Houve essa recomendação do MP, porque os servidores das perícias estariam irregulares. Portanto, trata-se apenas de adequar a situação", afirmou.

Já o líder da oposição, Tadeu Veneri (PT), criticou o reajuste. "Em última análise, ele acabará cobrando da população. Fiz pedido aqui de quantas pessoas fazem o exame, quantas são reprovadas e quais os motivos, mas nunca recebi resposta. Para aumentar os valores, é preciso saber quanto se arrecada e quanto se pretende arrecadar. A lógica do Estado passou a ser essa: toda vez que precisa fechar algum tipo de deficit, aumenta, até o contribuinte pagar mais." O petista sugeriu que a administração estadual ou faça o serviço diretamente ou, se quiser fazer através de terceiro, que forneça os dados solicitados.
Mariana Franco Ramos
Reportagem Local
Continue lendo
18
Continue Lendo
2-1-37-1623-20170419
2-1-37-1624-20170419
2-1-37-1615-20170419
2-1-37-1736-20170419
2-1-37-1738-20170419
2-1-37-1657-20170419
2-1-37-1696-20170419
2-1-37-1630-20170419
2-1-37-1631-20170419
2-1-37-1628-20170419
2-1-37-1590-20170419
2-1-37-1619-20170419
2-1-37-1608-20170419
2-1-37-1618-20170419
2-1-37-1658-20170419
2-1-37-1640-20170419
2-1-37-1647-20170419
2-1-37-1649-20170419
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados