VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
07/09/2017

Fux defende prisão para delatores da JBS

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Brasília - Três ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) indicaram nessa quarta-feira (6) que a corte pode rever benefícios dados aos delatores da JBS, mas descartaram anular as provas geradas pela delação. Um quarto magistrado, Gilmar Mendes, já havia defendido o mesmo posicionamento no dia anterior.
PUBLICIDADE

Ao assinar o acordo de delação, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, comprometeu-se a conceder imunidade aos delatores e não oferecer denúncia contra os sete colaboradores. A decisão causou polêmica.

Luiz Fux defendeu, por exemplo, a prisão dos executivos Joesley Batista, dono da JBS, e Ricardo Saud, executivo da J&F, holding que controla o frigorífico, depois da revelação do áudio em que ambos citam ministros do Supremo - entre eles a presidente da corte, Cármen Lúcia.

"Eles devem sair do exílio nova-iorquino para o exílio da Papuda", afirmou Fux, evocando o nome do complexo penitenciário de Brasília.

Na conversa que gerou a reviravolta no caso, Joesley e Saud mencionam, além de Cármen Lúcia, os ministros Ricardo Lewandowski e Mendes, mas não os relacionam a qualquer ato ilícito.

O diálogo indica uma tentativa de tentar entender como influenciar decisões vindas do Judiciário.

ANULA OU NÃO?
Para Fux, as provas documentais - como extrato bancário, planilha e gravações - produzidas pelos delatores podem ser aproveitadas, mesmo que se retire deles os benefícios. No entanto, os depoimentos dos colaboradores perderiam a validade.
"A prova testemunhal deles não pode valer, mas os documentos que subsistem por si sós, eles têm de ter vida própria", afirmou.

O colega do STF Marco Aurélio discordou de Fux apenas em relação à validade dos depoimentos: "Anular a delação, não. O que se torna insubsistente é a cláusula dos benefícios. Só isso. O que é a delação? Um depoimento. E depoimento prestado
não se vai para o lixo".

Os documentos de corroboração entregues pelos delatores seriam, portanto, aproveitados. Um deles é a gravação secreta da conversa entre Joesley e o presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu, em 7 de março. O diálogo viria à tona dois meses depois.

O material foi usado por Janot como base para a primeira denúncia contra Temer - que contudo foi rejeitada pela Câmara dos Deputados no começo de agosto.

Marco Aurélio destaca que os depoimentos dos delatores são "indícios de provas" e que "a delação, por si só, não serve para condenar quem quer que seja".

Ministro mais antigo do Supremo, Celso de Mello criticou a postura dos executivos da JBS, mas afirmou que o caso atual não pode prejudicar a ferramenta de investigação -no caso, a delação.

"Eventuais acidentes de percurso jamais irão comprometer a eficácia que é o instituto [de colaboração premiada]", declarou o decano.

Na terça (5), Gilmar Mendes, que além de ministro do STF preside o Tribunal Superior Eleitoral, disse que "certamente essa delação terá de ser completamente revista".

Sobre a validade das provas, caso a delação premiada seja revista e invalidada, Mendes afirmou que a questão terá de ser "examinada em cada tópico".

Em julgamento recente e provocado justamente pela delação da JBS, o STF definiu que, caso algum delator quebre o contrato celebrado com o Ministério Público ou a investigação não alcance os resultados prometidos, os benefícios poderão ser revistos no momento da sentença.

Os ministros não criticaram Janot. "Acho que Joesley e Saud ludibriaram a Procuradoria, degradaram a imagem do Brasil no plano internacional, atentaram contra a dignidade da Justiça e mostraram a arrogância dos criminosos do colarinho branco", disse Fux.
Letícia Casado
Folhapress
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

CLÁUDIO HUMBERTO

"Do exílio nova-iorquino para o exílio [do presídio] da Papuda"
Ministro Luiz Fux sugere no STF a prisão dos delatores da JBS e Joesley Batista

LUIZ GERALDO MAZZA

"O país é de tal modo tomado pela corrupção que o fato de hoje, por gigantesco que pareça, ficará dentro em pouco reduzido ao nanismo"

CASO JBS

Delação sob ameaça

Confira a transcrição dos principais trechos da gravação dos delatores da JBS

Lula, Dilma e Mercadante são denunciados por Janot

Petistas são acusados por obstrução de Justiça em investigação que apura se Dilma tentou nomear Lula como ministro para atrapalhar a Lava Jato

Palocci incrimina Lula em depoimento a Moro

Ex-ministro da Fazenda diz que reforma de sítio, terreno e apartamento eram propinas por "pacto de sangue" entre o ex-presidente e a Odebrecht

Com nova planta, IPTU aumenta para 98% dos imóveis de Londrina

Dados da prefeitura apresentados a representantes de entidades não revelam o percentual de reajuste, mas o valor em reais

TÍTULO DE ELEITOR

Rolândia, Ibiporã e Jataizinho fazem plantão para recadastramento biométrico

Mandaguari atenderá sábado dia nove, já Marilândia do Sul atenderá de sete a 10 de outubro

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados