VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quinta-feira, 25 de Agosto de 2016
Política
15/09/2012

Câmara não consegue notificar Ribeiro sobre CP

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Após idas à casa, ao escritório de contabilidade e à Prefeitura de Londrina, os servidores da Câmara de Vereadores não conseguiram ontem localizar o prefeito licenciado José Joaquim Ribeiro (sem partido) para entregar a notificação sobre o pedido de abertura de Comissão Processante (CP) que pode resultar na cassação de seu mandato. Depois que receber o documento, Ribeiro terá sete dias para apresentar defesa sobre sua confissão ao Ministério Público de que recebeu propina de R$ 150 mil de empresários que forneceram os uniformes para o município em 2011 e 2012.
Segundo o procurador jurídico da Câmara, Miguel Ângelo Garcia, a notificação poderá ser feita por edital, publicando o aviso nos jornais da cidade. ''Os servidores irão emitir a certidão de que estiveram nesses endereços e os horários e então poderemos fazer a notificação por edital, na terça-feira.''
Ribeiro, que foi indiciado por corrupção, peculato, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), tirou licença médica de 10 dias a partir da última quinta-feira. Dois dias antes ele havia concedido entrevista à imprensa admitindo o recebimento de propina, porém, negou que tenha ficado com o dinheiro.
A doença de Ribeiro não foi divulgada. Porém, a Câmara encaminhou ontem ao secretário de Governo, Gervázio Luiz de Martin Júnior, que assumiu a gerência do governo, solicitação de cópia da licença médica concedida a Ribeiro e do atestado médico. ''A Câmara não foi comunicada oficialmente. Somente sabemos por meio da imprensa'', explicou o procurador. O presidente da Câmara, Gérson Araújo (PSDB), disse que a licença deve ser votada no Legislativo. ''Num caso de doença, é claro que a licença deve ser aprovada, mas vamos analisar o atestado.''
Segundo o Núcelo de Comunicação da prefeitura, a Procuradoria-Geral do Município entende que são sigilosos o conteúdo do atestado e o nome do médico que atendeu o prefeito. A decisão, diz a nota, se baseia no Código de Ética Médica e no sigilo funcional. O Núcleo também informa que o prefeito não será submetido à perícia médica após três dias de afastamento, tal como ocorre com os servidores porque a legislação aplicável aos cargos comissionados e agentes políticos é outra. A coordenadora do Núcleo, Célia Baroni, não foi localizada no início da noite de ontem para informar se o sigilo também se aplica à Câmara, ou apenas à imprensa. (colaborou Edson Ferreira)
Loriane Comeli
Reportagem Local
Continue lendo
8
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoÍndice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados