VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 25 de Junho de 2017
Política
21/04/2017

'Brasil não é paiseco', diz Temer em resposta a Dilma

Peemedebista rebate acusação da ex-presidente que alega, em palestras no exterior, ter sido vítima de um golpe

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Lula Marques/AGPT
Lula Marques/AGPT
"Muitas vezes, são levados ao exterior dados que não coincidem com aquilo que está na Constituição e as pessoas lá fora imaginam que esse País é um paiseco", afirmou Michel Temer em resposta a Dilma Rousseff


Brasília - O presidente Michel Temer usou seu discurso na cerimônia de formatura dos novos diplomatas, nesta quinta-feira (20), para rebater críticas que a ex-presidente Dilma Rousseff tem feito ao governo em palestras no exterior. Dilma alega que foi vítima de um golpe para deixar o cargo. Sem citar a antecessora, que está em Washington, Temer destacou que a Constituição é cumprida, ao contrário do que se diz lá fora, como se o Brasil fosse "um paiseco".

"É aí é que a política externa tem papel a desempenhar nessa obra conjunta, que é recuperação do Brasil porque, muitas e muitas vezes, são levados ao exterior dados, fatos, informações que não coincidem com aquilo que está na Constituição Federal e as pessoas lá fora imaginam que esse País é um paiseco, que vai fazendo coisas sem aparo legal, sem amparo e Constituição", afirmou. Temer disse que poucos meses lhe restam de governo, menos de 20 meses, e há "muito o que fazer".

Na fala, de cerca de meia hora, Temer, ao se referir ao "conturbado cenário internacional", disse que ele está "se esgarçando" "a olhos vistos" e que "nós vivemos, na verdade, tempos de incerteza e de instabilidade". Na opinião dele, esses "focos de efervescência geopolítica não dão sinais de ceder".

No discurso, o presidente deu um recado sobre a nova orientação da política internacional de seu governo. Temer afirmou que os diplomatas têm de servir ao Brasil "acima de partidos e ideologia" e que os trabalhos serão conduzidos não por ideologia, "mas pelo interesse do País". O presidente os convocou a praticar uma "política externa universalista, sem preconceitos, que acredite, antes de tudo, na força transformadora do diálogo e do convencimento".

Para ele, é preciso "garantir lugar do Brasil no mundo em mutação". O presidente defendeu um "ativismo lúcido que não se deixa intimidar" e declarou que trabalha pela reativação do Mercosul e pela aproximação com a Aliança com o Pacífico.

"Precisamos de união", disse Temer, que falou que está também impulsionando as negociações econômicas entre o bloco da América do Sul e União Europeia como forma de inaugurar "novas frentes" de negócios.

INVESTIMENTOS
Em outro trecho do discurso, Temer voltou a criticar os governos petistas, mais uma vez sem citá-los, ao advertir que "avanços" econômicos tinham sido "colocados em xeque". "Depois do Plano Real, já não se toleram flertes com a inflação", avisou ele, ao salientar que o País "está voltando ao rumo" e que está "reconstruindo o caminho do desenvolvimento, com harmonia".

Para ele, "o Brasil tem pressa". Temer pediu aos novos diplomatas que em seus postos lá fora incentivem os demais países a fazer investimentos no Brasil, informando que aqui "estamos caminhando para um sistema de absoluta segurança jurídica".

APOIO TUCANO
Em discurso no mesmo evento, o ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira(PSDB), disse que o governo peemedebista "recolocou o Palácio do Itamaraty" no centro da política externa brasileira.

Segundo ele, em um momento de crise econômica, o foco da política externa deve ser na recuperação do potencial produtivo e na ampliação dos negócios com parceiros comerciais.
"O mandamento é buscar integração econômica, política e social com os povos da América Latina", defendeu.

No início do seu discurso, o ministro afirmou que a presença do presidente no Palácio do Itamaraty no Dia do Diplomata ocorre "depois de um hiato de cinco anos", o que mostra que o país está retornando "à normalidade". (Com Folhapress)
Tânia Monteiro
Agência Estado
Continue lendo
13
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados