VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
26/05/2012

Assembleia adia licitação de vigilância

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Curitiba - Prevista para ocorrer na próxima segunda-feira, a licitação para contratar uma empresa de vigilância para a Assembleia Legislativa (AL) do Paraná foi suspensa, temporariamente, pela Diretoria de Apoio Técnico da Casa. De acordo com o documento de revogação publicado, a intenção é fazer ajustes no texto do edital e lançar um novo nos próximos dias.
PUBLICIDADE

Como houve dois pedidos de impugnação por empresas participantes do processo, a interpretação da AL é que o processo pode ser mais ágil ao retirar o edital já publicado e elaborar um novo, ao invés de passar por todos os prazos recursas jurídicos de eventuais impugnações. Pelo edital que havia sido publicado, o valor máximo mensal estipulado para pagamento da empresa de vigilância era de R$ 176.088,47.
Enquanto não ocorre o processo licitatório para escolha de uma empresa para operar o serviço, a AL deverá firmar um novo aditivo de contrato com a empresa de segurança privada Embrasil, que atualmente é a responsável pela vigilância nas dependências do Legislativo. O aditivo vigente, firmado dia 4 de fevereiro, termina dia 4 de junho. A Embrasil assumiu a segurança da AL em fevereiro de 2011, assim que começou a gestão do atual presidente, deputado Valdir Rossoni (PSDB), e depois que os vigilantes comissionados que atuavam na Casa até então foram demitidos. A licitação é prometida desde aquela época.
Luciana Cristo
Equipe da Folha
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

MP apura origem de dinheiro para compra de apoio

Promotores ouviram ontem a diretora da Cooprelon, o presidente da SM Sports e o vereador Joel Garcia

Dados da GCU mostram que só pequenas ficam inidôneas

Estatística revela que grandes empresa, como a construtora Delta, sempre escapam de punições do governo federal

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados