VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
15/09/2017
'NÃO É COMIGO'

Após segunda denúncia, Temer evita a imprensa

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Rio - O presidente Michel Temer evitou a imprensa durante agenda oficial nesta sexta-feira, 15, no Rio, um dia após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentar a segunda denúncia contra ele e outros acusados, descrita como "quadrilhão do PMDB". O evento, no Instituto Estadual do Cérebro, foi estruturado para impedir o contato do presidente com jornalistas.
PUBLICIDADE

Temer e outras autoridades, como o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) e o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), ficaram em uma sala com médicos e funcionários do hospital. Ali ocorreu a solenidade.

Já os profissionais de imprensa ficaram em um auditório, acompanhando o discurso por um telão.

Ele também foi embora sem dar entrevistas. Seguranças impediram os jornalistas de deixarem o auditório até que o presidente saísse do prédio.

A organização montou um púlpito em outro andar do hospital, para o caso de o presidente querer falar, mas ele não chegou a ser utilizado.

Também estiveram presentes os ministros da Saúde, Ricardo Barros (PP), da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy (PSDB), e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco (PMDB), e o vereador e ex-prefeito Cesar Maia (DEM), pai de Rodrigo Maia. Na ocasião, eles inauguraram um centro de radiocirurgia do instituto.

Temer também não fez nenhuma referência à nova denúncia no seu discurso, no qual elogiou os esforços para que o governo federal apoiasse o instituto. "O Rodrigo Maia foi advogado dessa causa", disse Temer.

Ele lembrou que, na quinta-feira, esteve nas obras para a ponte no Rio Araguaia, que ligará o Tocantins ao Pará. "Aqui também é uma ponte, uma ponte para melhorar saúde do Rio de Janeiro e do nosso País. E ainda pode servir de exemplo para outros tantos hospitais. É hospital público e com essa qualificação extraordinária", declarou o presidente.

Temer também pediu que Ricardo Barros entrasse em acordo com o secretário estadual de Saúde para que os governos federal e estadual unissem esforços pela conclusão das obras do edifício que abriga o Instituto do Cérebro. "O governo estadual põe um pedacinho, o federal põe um pedação, e nós vamos concluir essa obra", prometeu.

Barros disse que o governo estava ampliando em 55% os repasses para o Instituto do Cérebro, para R$ 70 milhões por ano. Segundo Temer, houve empenho tanto de Rodrigo Maia quanto do ministro Moreira Franco, além da atuação persistente da bancada federal do Rio para a liberação das verbas. "Prestigiar significa aumentar as verbais anuais para o instituto", afirmou o presidente.
Constança Rezende e Daniela Amorim/Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

CLÁUDIO HUMBERTO

"Eu me senti honrado pelo reconhecimento do meu trabalho"
Henrique Meirelles sobre a defesa que o PSD faz da sua candidatura a presidente

TC pede devolução de R$ 3,2 milhões desviados de obras na Quadro Negro

Pleno decide pela condenação parcial da construtora Valor e de nove agentes públicos e privados envolvidos em desvios de recursos de duas escolas

PUBLICANO

Dois auditores são demitidos por cooptação de agente

Luiz Antonio de Souza, principal delator da Publicano, e Marco Antonio Bueno foram demitidos da Receita Estadual

Fux vê indícios de obstrução de Justiça contra Blairo Maggi

Ministro da Agricultura e outras cinco pessoas foram alvo de busca e apreensão com base em delação de ex-governador do Mato Grosso

Janot denuncia Temer sob acusação de organização criminosa e obstrução

Em sua "nova flechada", procurador-geral da República acusa Michel Temer e outros seis peemedebistas de recebe ao menos R$ 587 milhões de propina

DESPEDIDA DA PGR

Tribo presenteia Janot com arco e flecha

Presente simboliza frase "enquanto houver bambu, vai ter flecha" dita pelo procurador-geral da República sobre possíveis denúncias antes de deixar o cargo neste domingo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados