VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Política
17/06/2017
LAVA JATO

1/3 das prisões vira delação em Curitiba

Dos 93 alvos de mandados de prisão preventiva, em Curitiba, 31 tornaram-se colaboradores

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

São Paulo - Cruzamento de dados do Ministério Público Federal (MPF) e da Justiça Federal no Paraná, feito pelo jornal O Estado de S. Paulo, mostra que, dos 93 alvos de mandados de prisão preventiva, em Curitiba, 31 tornaram-se colaboradores, o equivalente a um terço do total. Não há dados de outros Estados consolidados na Lava Jato.

Segundo o levantamento, entre os presos preventivos, 16 assinaram acordo enquanto presos. É o caso do lobista Milton Pascowitch, que saiu do regime fechado e foi para o domiciliar duas semanas após acertar sua delação, considerada crucial na prisão do ex-ministro José Dirceu (PT). A outra parte - 15 presos - ganhou liberdade antes de fechar o acordo.

O advogado dos ex-marqueteiros do PT João Santana e Mônica Moura, Juliano Prestes, confirmou que a negociação do casal começou na prisão, porém só foi fechada após sua soltura. Condenados em fevereiro deste ano, os responsáveis por campanhas eleitorais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente cassada Dilma Rousseff assinaram a colaboração premiada sete meses após ter a preventiva revogada.

No Código Penal, não há determinação do período de preventivas, o que colabora para embates jurídicos.

De um lado, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes criticam as "alongadas prisões". De outro, o juiz Sérgio Moro defende o modelo como "essencial".

Para a Procuradoria da República no Paraná, o uso dessas medidas é excepcional. "A prisão preventiva só ocorre em casos em que a restrição de liberdade é indispensável para proteger a sociedade", afirmou, por meio de nota. Segundo a Justiça do Paraná, Moro já se manifestou sobre o tema em sentenças.

ANÁLISE

Para o professor de Direito Penal da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Antônio Carlos da Ponte, a prisão preventiva não é fator determinante para alguém fazer acordo. "Quem delata tem uma preocupação muito maior com a sentença penal condenatória", disse.

A vontade de minimizar o constrangimento com a própria imagem também influencia. "Os delatores são pessoas que desfrutam de poder político e econômico, muitas com mandatos, e isso acaba trazendo uma pressão tanto para abrandar a condenação quanto para ter a imagem o menos atingida possível", afirmou Ponte.

Para Pedro Serrano, docente de Direito Penal na mesma universidade, a proporção de um terço de colaboradores do total de presos preventivos é alta. O mais preocupante, porém, é o número de presos em medida cautelar. "É um comportamento do sistema penal brasileiro", disse, lembrando que o País tem a quarta maior população carcerária do mundo.

Outro problema é a "corrida" pela colaboração. O Estado antecipou que a força-tarefa de Curitiba avalia que os ex-ministros da gestões petistas Guido Mantega e Antonio Palocci tornaram-se possíveis "delatores concorrentes". Os dois podem apresentar fatos semelhantes e só haveria acordo com um deles.

O professor de Direito Penal da Universidade de São Paulo (USP) Sergio Salomão Shecaira comparou a situação a um mercado de peixe. "Quem gritar mais vai vender, independentemente da qualidade", apontou.

No caso dos ex-ministros, segundo Shecaira, a delação tornou-se a única saída. "Palocci e Mantega se deram conta, tardiamente, que serão condenados. O processo lá (em Curitiba) está sendo conduzido para condenar todo mundo", afirmou.
Marianna Holanda e Elisa Clavery
Agência Estado
CONTINUE LENDO

LUIZ GERALDO MAZZA

"Depois, portanto, da calmaria (se é que não teremos problemas na viagem) a esperada tormenta"

PEC que amplia competência de Assembleias divide deputados

Presidente da AL e líder da oposição divergem sobre a proposta que poderá permitir que legislativos estaduais tratem de temas que hoje são de responsabilidade privativa da União

APÓS ENTREVISTA

Planalto diz que Temer processará Joesley Batista

Nota acusa empresário de proteger o PT, seus "reais parceiros de sua trajetória de pilhagens"

Aécio pede ao STF que adie decisão sobre sua prisão

Defesa solicita ainda a revogação da medida que afastou o tucano do mandato de senador por Minas Gerais; julgamento deve ocorrer na próxima terça-feira

Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados