VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016
Opinião
23/09/2012

OPINIÃO DO LEITOR

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Os ‘ficha limpa’
  Existe um ditado popular que diz ‘‘Já posso morrer, pois já vi de tudo nesta vida’’. Realmente vi a Avenida Paraná quando era barro, paralelepípedos, asfalto e finalmente Calçadão. Estive na inauguração da TV Coroados, vi o Brasil ser campeão em todas as Copas do Mundo e também conheci pessoas como Milton Menezes, Antonio Fernandes Sobrinho, José Richa, Hosken de Novaes, Wilson Moreira, José Tavares, João Olivir Gabardo, Alvaro e Osmar Dias, homens públicos e pés-vermelhos que nos enchem de orgulho. Conheci médicos que não abriam mão da profissão como Jonas de Faria Castro, Lincoln Brasil e Silva, João Henrique Steffen Jr. São todos ficha limpa. Estamos próximos de mais uma eleição em que deveremos eleger vereadores e prefeito. Tarefa difícil, pois o que se apresenta é de pouca qualidade. Este é o momento de renovação total. Chega de político de carreira.
AUREO GARCIA LELLIS (administrador) - Londrina

Sangria popular
  Mais uma vez nossos digníssimos representantes da Assembleia Legislativa iniciam ataque aos cofres públicos. Há algum tempo o projeto estava engavetado pelo presidente da AL, porém agora no calor das disputas municipais os dignos deputados buscam aprovação para estabelecerem o Plano de Previdência Complementar para eles próprios no valor de R$ 17 mil mensais. Para isto, o Estado deverá contribuir com a ‘‘bagatela de R$ 35 milhões’’ (dinheiro nosso) para constituí-lo. Depois de sacramentado, basta contribuir apenas por cinco anos no cargo e poderão aposentar-se com esta ninharia de salário. Os trabalhadores da iniciativa privada após contribuírem por 35 anos e ter atingido a idade mínima exigida, se aposentam com o máximo de R$ 3,5 mil, isto se contribuíram com o teto máximo de dez salários mínimos. E devem ficar felizes, pois depois de uma dezena de anos este valor estará próximo de um salário mínimo, não é uma beleza? E os caros deputados estarão com seus salários integrais e ainda sendo corrigidos como eles quiserem. Salve a República, salve a democracia, me deixem pular desta nave.
ALFREDO CARVALHO (administrador) - Londrina

Gramado do Estádio do Café
  Até agora não consegui entender a decisão de não se trocar o gramado do Estádio do Café. Ainda mais porque a verba já foi liberada pelo prefeito cassado e a necessidade da troca é iminente. Segundo agrônomos, o fungo existente no local praticamente ‘‘some’’ no calor e reaparece apenas no inverno. Triste notícia para os admiradores do futebol e torcedores do LEC. Com a possibilidade de calendário cheio para o Londrina em 2013, no inverno a praga pode se alastrar pelo gramado e a troca teria que ser feita de qualquer maneira. E o time jogaria onde em plena disputa da Série D do Brasileiro? Como diz Brock Chisholm: ‘‘Você só consegue curar o varejo, mas pode prevenir o atacado’’.
RAFAEL MORIENTES. (estudante de Jornalismo) - Londrina

Hidratação e xixi no Zerão
  Muito interessante a matéria ‘‘Água para regular temperatura corporal’’ (Cidades, 14/9) sobre hidratação, mas uma coisa que não podemos esquecer: após uma boa hidratação vem em seguida a necessidade de esvaziamento da bexiga. Ultimamente tenho sentido isso na pele, pois após a prática de exercícios no Zerão, vem a vontade de fazer xixi, mas aí entra o principal problema: onde fazer? Já que no mais tradicional local de passeio e de se fazer exercícios ao ar livre em Londrina não temos nenhum banheiro público. O único que existia, aliás em péssimas condições, foi demolido tempos atrás. É vergonhoso para uma cidade como a nossa passarmos por situações ridículas como ir a um parque e não ter aonde fazer um mísero xixizinho.
FABIANO MENEZES (músico) - Londrina

Desoneração da cesta básica
  Sobre a negativa da presidente Dilma Rousseff de desonerar impostos de produtos da cesta básica, parece que para o governo vender carros e geladeira é mais importante que comida na mesa. Linha branca e carros estão com redução de impostos há muito tempo. E depois vem com a conversa de governo popular e social. Tudo balela para enganar o povo. Tenho uma sugestão para a indústria de alimentos e demais produtos da cesta básica: façam um lobby e financiem campanhas políticas do partido do governo e aliados e, provavelmente, a desoneração saia rapidinho.
ADALBERTO BRANDALIZE (professor) - Londrina

- As cartas devem ter no máximo 700 caracteres e vir acompanhadas de nome completo, RG, endereço, cidade, telefone e profissão ou ocupação. As opiniões poderão ser resumidas pelo jornal. E-mail: opiniao @ folhadelondrina.com.br
Continue lendo
7
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados