VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Domingo, 23 de Julho de 2017
Opinião
08/11/2006

ESPAÇO ABERTO

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Eleições e a crise da agricultura

Adriano Nervo Codato
  Por que Lula (PT) não venceu nos três Estados do Sul, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Roraima? Uma resposta segura para essa questão exigiria uma análise mais detida dos mapas eleitorais e da lógica da distribuição das preferências políticas. Mas arriscaria dizer que pelo mesmo motivo que Roberto Requião (PMDB) não venceu em Londrina, Maringá, Cascavel, etc. O paralelismo aqui é claro: o eleitor de Lula é provavelmente o eleitor de Requião; e o eleitor de Osmar Dias é o eleitor de Geraldo Alckmin. O bom desempenho de Requião e de Lula segue o caminho da assistência social. E o mau desempenho tanto de Requião como de Lula segue geograficamente o caminho do setor agrário. Nesse sentido, a crise no setor agropecuário foi determinante para o fracasso eleitoral do governador e do presidente nessas regiões. Mas como essa crise se manifesta?
  A crise do agronegócio se expressa antes de tudo como ‘‘antigovernismo’’. É um fenômeno mais ou menos complexo. O caso Requião/Lula ajuda a entender o problema. Penso que ele tem três dimensões: uma dimensão econômica, uma política e uma ideológica. O problema do câmbio (baixos preços para exportar), o problema da política monetária (altos juros para tomar emprestado e investir) e o problema do emprego (baixo índice de criação de empregos formais no setor agrário) alimentam e ampliam o descontentamento do eleitor.
  Pequenos, médios e grandes proprietários rurais (e os demais eleitores subordinados à lógica dessa economia) votam então contra ‘‘o governo’’, sem diferenciar se estadual, se federal. Do ponto de vista político é preciso lembrar que o governo, qualquer governo, sofre desgastes, seja pelas brigas que compra, seja pelas que não compra. O que abre caminho para o desejo da ‘‘mudança’’, qualquer mudança. No caso específico do Paraná, o fator político foi o seguinte: as prefeituras do PT agora e antes, não foram um modelo de gestão administrativa a ser seguido, para ser educado.
  Esse mudancismo, além disso, encontra sua razão de ser, do ponto de vista ideológico, em dois fatores: um ético e um técnico, que não se excluem. ‘‘Geraldo’’ foi a promessa ética contra a corrupção e o aparelhamento do Estado. E Osmar foi a promessa técnica a favor da agricultura. Aliás, ambos projetaram a imagem desejada do eleitor médio de classe média. Eles são ao mesmo tempo ‘‘iguais a nós’’ e ‘‘aqueles que sabem fazer’’ por nós. Mas se o recado de Osmar Dias foi entendido, o de Alckmin naufragou porque parecia retórico demais.
ADRIANO NERVO CODATO é professor de Ciência Política na Universidade Federal do Paraná em Curitiba e coordenador do Núcleo de Pesquisa em Sociologia Política Brasileira

Razões de uma vitória

Gaudêncio Torquato
  Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ganhou o direito de sentar por mais quatro anos na cadeira presidencial porque teve melhor desempenho nos quatro meses de campanha eleitoral. O presidente conhece bem, como afirma, ‘‘a alma do povo’’. Fosse em um país anglo-saxão ou profundamente identificado com a ética protestante, Lula não teria sobrevivido às graves denúncias que, ao longo do último ano, corroeram a imagem do governo. Mas a ‘‘alma brasileira’’ é leniente e compreensiva ante a dualidade de conceitos como riqueza e miséria, virtude e crime, honestidade e corrupção, generosidade e horror.
  O eleitorado brasileiro prefere o discurso que fala para o bolso do que a peroração para as mentes. Os valores éticos (espirituais), que emergiram do túnel dos mensaleiros e desaguaram nos dutos do dossiegate, perderam para os valores do bolso. Economia estabilizada, inflação controlada, real valorizado, poder de compra preservado, beneficiando todos os conjuntos sociais, e o Bolsa-Família expandido, melhorando a situação das classes D e E, foram mais fortes que a pergunta: ‘‘De onde veio o dinheiro para comprar o falso dossiê?’’
  Lula teve melhor desempenho no plano do discurso. Disse para o povo o que ele queria ouvir. As falas cheias de metáforas e imagens populares se somaram ao desfile interminável de feitos do governo e entraram com facilidade na cachola das massas. O petista saiu-se igualmente bem no âmbito do turbilhão de denúncias. Martelou a resposta de que, em seu governo, nada é empurrado para debaixo do tapete. Colou. Para fechar o circuito de forças a seu favor, Lula contou com o poder da caneta. Quem exerce o mando no poder executivo federal e nos governos estaduais tem chances maiores de se eleger. O fator organizativo também ajudou. Ele fez bons comícios, correu o Brasil, jogou-se para as massas. Pelo lado tucano, faltou um plano estratégico; a agenda de rua do candidato foi pobre. O programa de TV foi visivelmente ruim, sem eixos, disperso e monótono, as ações táticas foram limitadas e os recursos escassos.
  Lula deu, no segundo turno, um nocaute técnico em Alckmin com o terrorismo da ‘‘privataria’’. Ganhou os eleitores de Heloísa Helena e de Cristovam Buarque, além de avançar sobre fortes contingentes das classes médias, que deixaram o espaço antes reservado ao tucano. Lula ganhou a eleição, mas iniciará um segundo mandato sob o signo da suspeita. É evidente que o tal ‘‘terceiro turno’’, a desestabilização de Lula pela via da Justiça, não tem condição de prosperar. O voto popular e a ampla maioria conseguida legitimam o candidato e não haveria força moral nos tribunais para derrubá-lo.
  Luiz Inácio terá à disposição um amplo cordão de apoios, a partir do engajamento de 18 governadores, uma base de cerca de 370 deputados e uma boa bancada no Senado. Na Câmara Alta, apesar do oposicionismo, Lula enfrentará alguma dificuldade, mas nada que possa prejudicar a governabilidade. Procurará formar um governo com menos petistas e ampliará os espaços do PMDB. Focará o governo no alvo desenvolvimentista, como forma de retomar o crescimento e atender às demandas do empresariado.
GAUDÊNCIO TORQUATO é jornalista, professor da USP e consultor político em São Paulo

- Os artigos devem ter, no máximo, 30 linhas. Os artigos publicados não refletem, necessariamente, a opinião do jornal. opiniao @ folhadelondrina.com.br.
CONTINUE LENDO

Bush é ameaça ao mundo, dizem britânicos

Conceito dos ingleses é que presidente dos EUA tornou humanidade menos segura desde sua posse

Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoteriasVídeos
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralEspecialCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteFale ConoscoClube do AssinanteAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados