VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso gratuito ao
conteúdo Folha de Londrina
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Estado.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016
Norte Pioneiro
03/09/2014

Produtores aprovam exigência do documento

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois
Moacir Dalava foi um dos primeiros a preencher o Cadastro Ambiental Rural no sindicato, "para não ficar preocupado com o assunto"

Bandeirantes - Os produtores rurais se mostram preocupados com a questão ambiental e reconhecem a importância de se fazer um levantamento ambiental em suas propriedades. O produtor Moacir Dalava foi um dos primeiros a preencher o Cadastro Ambiental Rural no sindicato, em Bandeirantes. Ele tem uma propriedade às margens do Rio das Cinzas, no município de Andirá, e agendou um horário para o preenchimento do cadastro assim que recebeu a informação, "para não ficar preocupado com o assunto".
O cadastro da propriedade dele demorou pouco mais de uma hora para ser preenchido. "Acredito que os produtores devem preencher este cadastro o quanto antes para evitar problemas de última hora", aconselha. Pelo tamanho da propriedade, que é de apenas cinco hectares, ele deveria preservar uma faixa de apenas cinco metros de mata às margens do rio, mas possui uma faixa quase 10 vezes maior.
O produtor Guilherme Akutagawa tem 120 hectares de terra em áreas próximas, no município de Bandeirantes. Há cinco anos, ele iniciou o trabalho de recuperação da mata ciliar em uma das propriedades que é banhada por dois córregos. Em um deles, deveria preservar 15 metros de vegetação, mas recuperou o dobro e vai manter este espaço. Ele só lamenta que nem todos tenham o mesmo cuidado com a questão ambiental, mostrando que alguns vizinhos jogam lixo às margens do riacho.
Akutagawa deve agendar o cadastramento de sua propriedade esta semana e espera que o Cadastro Ambiental Rural seja algo definitivo e não apenas mais uma exigência do governo.
O usineiro Serafim Meneghel também se organiza para agendar o cadastramento ambiental em suas propriedades. Ele reconhece a importância de preservação do meio ambiente, em especial das minas e pequenas fontes de água, mas reclama do excesso de legislação sobre o assunto. "Eles aprovam uma nova lei a cada 15 dias. O que já gastei de dinheiro com essas mudanças, daria para comprar uma fazenda. O que espero é que, desta vez, o cadastramento seja definitivo", afirma. (E.A.)
Continue lendo
12
Continue Lendo
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
ReportagemFolha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroCasa & ConfortoMercado DigitalFolha da SextaFolha Rural
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados