VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mundo
14/11/2017
CATÁSTROFE

Tremor mata mais de 400 no Irã

Na noite de domingo, abalo de 7,3 graus de magnitude deixou cidades destruídas e milhares de feridos e desabrigados

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Farzad Menati/Tasnim News/AFP
Farzad Menati/Tasnim News/AFP - Região mais atingida foi a de Sar-e Pol-e Zahab; hospital e metade das escolas ficaram danificados
Região mais atingida foi a de Sar-e Pol-e Zahab; hospital e metade das escolas ficaram danificados


Teerã - Equipes de resgate iranianas procuravam nesta segunda-feira (13) possíveis sobreviventes do terremoto de 7,3 graus de magnitude, que sacudiu o oeste do país e várias regiões iraquianas na noite de domingo (12), deixando mais de 400 mortos e milhares de feridos.
PUBLICIDADE

A maior parte das vítimas é do Irã, onde o balanço parcial na tarde desta segunda-feira (13) indicava a morte de 407 pessoas e o número de 6,7 mil feridos, todos na província ocidental de Karmanshah, fronteiriça com o Iraque. Neste último país, o balanço oficial era de oito mortos e 336 feridos.

Com o anoitecer, as autoridades enfrentavam o desafio de abrigar e alimentar dezenas de milhares de pessoas obrigadas a dormir ao relento pela segunda noite seguida. "As necessidades imediatas das pessoas são tendas, água e alimentos", declarou à televisão estatal iraniana o general Mohamad Ali Yafari, chefe dos Guardiões da Revolução, o Exército de elite da República Islâmica, durante uma visita às zonas atingidas. "Os imóveis construídos recentemente (...) resistiram bem, mas as velhas casas de terra ficaram totalmente destruídas", acrescentou.

DESTRUIÇÃO TOTAL
O epicentro do tremor foi a 50 quilômetros ao norte de Sar-e Pol-e Zahab, cidade mais afetada pelo terremoto, onde morreram 280 pessoas. De acordo com a imprensa iraniana, uma mulher e um bebê foram resgatados com vida entre os escombros durante a manhã de segunda nesta cidade de 85 mil habitantes. Nenhuma equipe de jornalismo estrangeira recebeu autorização para ir ao local da catástrofe nesta segunda-feira.

A televisão estatal exibiu imagens gravadas durante a noite em Sar-e Pol-e Zahab que mostram edifícios de cinco ou seis andares com as fachadas destruídas, mas cujas estruturas resistiram ao tremor. Fotografias da agência Isna tiradas de manhã na mesma cidade mostram carros esmagados após o desabamento de muros. Segundo responsáveis locais, o hospital e metade das escolas da zona ficaram danificados. O governo anunciou ter distribuído milhares de tendas, cobertores, alimentos e água.

Os tremores são frequentes no Irã. Em junho de 1990, um terremoto de 7,4 graus no Irã, perto do mar Cáspio (norte), deixou 40 mil mortos e mais de 300 mil feridos, além de meio milhão de desabrigados. Em 2003, um terremoto na cidade de Bam, província de Kerman (sudeste do Irã), matou 31 mil pessoas e a cidade ficou praticamente destruída.

Em abril de 2013, dois terremotos foram registrados no Irã, com poucos dias de intervalo, de magnitude 6,6 e 7,7, o mais forte no país desde 1957.
France Presse
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic