VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mundo
17/07/2017

Tiroteio deixa vítimas durante plebiscito na Venezuela

Uma mulher foi morta e três pessoas ficaram feridas enquanto votavam; eles seriam opositores ao governo de Maduro

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Juan Barreto/AFP
Juan Barreto/AFP - Milhares compareceram às urnas; oposição espera que Maduro convoque eleições presidenciais antes do final de seu mandato
Milhares compareceram às urnas; oposição espera que Maduro convoque eleições presidenciais antes do final de seu mandato

Caracas - Uma mulher morreu e outras três pessoas ficaram feridas neste domingo (16), quando homens de motos atiraram em opositores que votavam no oeste de Caracas em um plebiscito simbólico contra a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro, informou o Ministério Público.
PUBLICIDADE

"Está-se investigando a morte de Xiomara Escot e três feridos, fato ocorrido durante situação irregular" no populoso bairro de Catia, anunciou um boletim do MP.

Milhares compareceram às urnas desde às 7 horas da manhã, mas o resultado ainda não foi divulgado. Os eleitores, muitos vestidos de branco ou com acessórios nas cores da bandeira nacional, procuraram desde cedo as mesas instaladas pela coalizão opositora MUD (Mesa da Unidade Democrática) em todo o país.

Foram montados 14.300 pontos para receber votos na Venezuela e mais 500 em outros países, incluindo o Brasil. Os eleitores responderam se rejeitam a criação de uma Assembleia Constituinte, convocada por Maduro em maio. Outras perguntas são se o cidadão aprova a realização de novas eleições e se concorda que o Exército e os funcionários públicos devem ser obrigados a defender e seguir a constituição atual.

A Venezuela vive uma forte onda de protestos que deixaram 95 mortos desde o dia 1º de abril. O país enfrenta uma das piores crises econômicas de sua história, que gera escassez severa de produtos e inflação de três dígitos. A oposição espera que o comparecimento significativo da população possa fazer com que Maduro convoque eleições presidenciais antes do fim de seu mandato, no início de 2019.
France Presse
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic