VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mundo
MOVIMENTOS RIVAIS

Fatah e Hamas palestinos: uma década de relações tensas

Acordo pode dar fim às divisões

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Veja a história das relações entre os dois principais movimentos rivais palestinos, o Fatah, do presidente Mahmoud Abbas, e o islâmico Hamas, que anunciaram nesta quinta-feira (12) a assinatura de um acordo sobre os termos concretos de sua reconciliação, após uma década de tensões.
PUBLICIDADE

- Vitória política dos islamitas -Em 25 de janeiro de 2006, o Hamas, que participa pela primeira vez do pleito, vence as eleições legislativas, após dez anos de hegemonia do Fatah.

O Conselho Legislativo Palestino (CLP, o Parlamento) derrotado tinha sido eleito em 1996, dois anos após a criação da Autoridade Palestina. Em 28 de março, o governo de Ismaïl Haniyeh (Hamas) toma posse. Os principais cargos são confiados a dirigentes deste movimento. - Hamas controla a Faixa de Gaza -De janeiro a fevereiro de 2007, e mais tarde, em maio, enfrentamentos violentos opõem partidários do Fatah e do Hamas. Em 14 de junho, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, destitui o governo de Haniyeh, após uma semana de violências com vários mortos e decreta estado de emergência em Gaza. No dia seguinte, o Hamas expulsa as forças fieis ao Fatah do enclave. Abbas denuncia um golpe de Estado militar. Em resposta à chegada do Hamas ao poder, Israel reforça seus bloqueios à Faixa de Gaza.

- Três acordos fracassados -Em 27 de abril de 2011, um acordo que previa um governo transitório, encarregado de organizar as eleições, é assinado por Fatah e Hamas, em seguida, rubricado pelo conjunto dos movimentos palestinos para começar em maio. Mas os prazos são constantemente adiados. Em 7 de janeiro de 2012, os dois movimentos assinam um acordo de liberação de detidos. Em 6 de fevereiro, eles concordam em confiar a Abbas a direção do governo transitório, mas essa decisão, contestada internamente no Hamas, não é aplicada. Em 23 de abril de 2014, as Organização de Liberação da Palestina (OLP), controladas pelo Fatah e pelo Hamas, assinam um acordo de reconciliação. Em junho, é formado um governo de unidade, composto de tecnocratas apoiados pelos dois partidos. Mas o governo é incapaz de exercer sua autoridade em Gaza.

Abbas acusa o Hamas de manter um "governo paralelo" no enclave. O governo de união nacional cai alguns meses mais tarde. - Pragmatismo -Em 1º de maio deste ano, o Hamas anuncia um relaxamento de sua carta fundadora. Ele defende adotar um combate "político", e não "religioso", com Israel. E aceita a ideia de um futuro Estado palestino limitado a Cisjordânia, Jerusalém-leste e Gaza. Em 6 de maio, Haniyeh, adotando uma linha pragmática no seio do Hamas em relação a Israel, é eleito para dirigir o escritório político de seu movimento. No fim de junho, o Hamas, que tenta melhorar suas relações com o Cairo, com quem o movimento viveu anos de tensões, inicia a construção de uma "zona tampão" ao longo da fronteira sul com o Egito. - Pressões e progressos -Em março de 2017, o Hamas cria um "comitê administrativo", visto pelo Fatah como um governo paralelo.

A Autoridade Palestina reduz, em represália, os pagamentos para o fornecimento de energia elétrica ao moradores Gaza, bem como os salários dos funcionários da Faixa. Em 17 de setembro, o Hamas anuncia, "em resposta aos esforços (de mediação) egípcios", a dissolução do controverso conselho e pede ao Fatah para retomar novas negociações de reconciliação.

No dia seguinte, Abbas expressa a Haniyeh "sua satisfação" quanto ao "clima de reconciliação". Pela primeira vez desde 2015, o governo de Rami Hamdallah visita, em 2 de outubro, a Faixa de Gaza, onde, no dia seguinte, terá sua primeira reunião em três anos. No dia 12, Hamas e Fatah, cujos representantes negociam há dois dias no Cairo, anunciam um primeiro acordo de sobre os termos concretos de sua reconciliação. O Fatah anuncia que o presidente Abbas irá "em menos de um mês" para Gaza - pela primeira vez em dez anos. Cerca de 3 mil policiais da Autoridade Palestina são deslocados para o enclave, segundo um alto funcionário que pede o anonimato, sem mencionar nenhum prazo.

Abbas comemora um "acordo final para dar fim às divisões".
France Presse
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
Vinícolas destruídas

Nos EUA, sobe a 23 número de mortos em incêndios na Califórnia

Fogo se espalhou rapidamente, impulsionado por fortes ventos e pela pouca umidade

DEFESA PLANETÁRIA

Exercício de defesa durante passagem de asteroide foi bem sucedido

Asteroide se deslocou entre a Terra e a Lua a uma distância mínima menor que 44.000 km, mas longe dos 36.000 km em que os satélites geoestacionários de telecomunicações orbitam.

Acidente aéreo

Espanha: queda de avião militar após desfile do feriado nacional

Aeronave caiu perto da base aérea de Los Llanos, nos arredores da cidade de Albacete, 300 km ao sudoeste da capital.

Barricadas contra potencial ofensiva

Curdistão iraquiano corta brevemente suas estradas

No dia anterior, as autoridades curdas informaram os preparativos pelas forças iraquianas e disseram que temiam um assalto às áreas disputadas de Kirkuk e Mossul.

CONFLITOS INTERNOS

Fatah e Hamas palestinos assinam acordo de reconciliação

A Autoridade Palestina assumirá o controle total da Faixa de Gaza, nas mãos do Hamas, antes de 1º de dezembro de 2017, graças ao acordo assinado nesta quinta.

Libertada família sequestrada por terroristas

Casal foi capturado no Afeganistão em 2012; três filhos teriam nascido durante o cativeiro

CHUVAS TORRENCIAIS

Inundações e deslizamentos matam 37 no Vietnã

País é atingido a cada ano por uma dezena de tempestades e tufões e segundo números oficiais, mais de 170 pessoas morreram ou desapareceram devido a estas intempéries desde o início de 2017.

EGITO

Autoridade Palestina assumirá o controle de Gaza antes de 1º de dezembro

O Hamas e o Fatah do presidente Mahmoud Abbas prometem "ajudar o governo de unidade (...) a exercer suas responsabilidades completas na gestão da Faixa de Gaza, como é o caso na Cisjordânia"

RETIRADA POLÊMICA

Estados Unidos e Israel se retiram da Unesco

EUA alega "preconceito contra Israel", segundo um comunicado oficial e Israel diz que posição anti-israelense é "teatro do absurdo".

MEDIDAS SIGNIFICATIVAS

Reconciliação palestina: um balanço das sanções

O anúncio de um acordo de reconciliação nesta quinta-feira (11) deve levar à suspensão das sanções, na medida decidida por Abbas.

AVANÇO ESTRATÉGICO

Forças sírias tomam bairros de Mayadin, reduto do EI

Desta forma, a única via de fuga para os extremistas islâmicos é o rio Eufrates, que corta Mayadin, de acordo o OSDH, que conta com uma ampla rede de fontes em toda a Síria.

TENSÃO ACIRRADA

Moscou denuncia presença de brigada americana adicional perto de sua fronteira

Porta-voz russo diz que 2ª brigada blindada americana chegou discretamente na Polônia e se instalou com seus veículos blindados

DIÁLOGO POLÍTICO

Acordo entre UE e Cuba entrará em vigor em 1º de novembro

A aplicação chega no momento mais tenso da crise entre a ilha socialista e os Estados Unidos desde o restabelecimento dos laços diplomáticos em 2015.

REVITALIZAÇÃO

Trudeau visita pela primeira vez México durante tensa negociação do Nafta

O mandatário canadense visitará as instalações da Cruz Vermelha do México, onde foram atendidas muitas vítimas do terremoto de 7,1 graus que sacudiu a capital mexicana em 19 de setembro.

'ANTI-ISRAELENSE'

Unesco: guardiã do patrimônio cultural mundial

Organização já havia sido marginalizada pelos americanos entre 1984 e 2003.

EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO

Paris quer proibir carros a diesel e gasolina

A meta antecipa os planos do governo que - em julho deste ano - disse sonhar que até 2040 não existam mais veículos a diesel e gasolina.

SEM DIÁLOGO

Governo catalão terá até segunda para confirmar se declarou independência

Em Madri, milhares de pessoas foram às ruas para acompanhar os desfiles com o lema "Orgulhosos de ser espanhóis"

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic