VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mundo
12/10/2017
CONFLITOS INTERNOS

Fatah e Hamas palestinos assinam acordo de reconciliação

A Autoridade Palestina assumirá o controle total da Faixa de Gaza, nas mãos do Hamas, antes de 1º de dezembro de 2017, graças ao acordo assinado nesta quinta.

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O movimento islamita Hamas e o seu rival palestino Fatah anunciaram, nesta quinta-feira (12), a assinatura de um acordo sobre os termos concretos de sua reconciliação, após uma década de conflitos internos.
PUBLICIDADE

Mas rapidamente Israel ressaltou que não discutiria com um governo palestino que não o reconhecesse como Estado e sem o desarmamento do Hamas. A Autoridade Palestina assumirá o controle total da Faixa de Gaza, nas mãos do Hamas, antes de 1º de dezembro de 2017, graças ao acordo assinado nesta quinta.

O Hamas e o Fatah do presidente Mahmoud Abbas prometem "ajudar o governo de unidade (...) a exercer suas responsabilidades completas na gestão da Faixa de Gaza, como é o caso na Cisjordânia", indica o comunicado emitido pelo Cairo, que mediou os esforços de reconciliação entre as partes palestinas.

Os movimentos têm até esta data para resolver suas diferenças. Uma nova reunião está prevista para o dia 21 de novembro, para discutir a formação de um governo de unidade.

"Congratulo-me com o acordo do Cairo, e instruo a delegação [na capital egípcia] a assiná-lo imediatamente", anunciou o presidente palestino, Mahmoud Abbas, em conversa telefônica com a AFP.

Horas antes, o líder do Fatah em Gaza, Zakaria al-Agha, anunciou que Abbas irá visitar o território "em menos de um mês".
Esta seria a primeira visita do presidente a Gaza desde 2007, quando o Hamas assumiu o poder no enclave depois de expulsar a Autoridade Palestina após violentos confrontos com o Fatah.

A Autoridade Palestina, uma entidade reconhecida internacionalmente, é dominada pelo moderado Fatah de Abbas e exerce um poder limitado na Cisjordânia, ocupada por Israel e localizada a dezenas de quilômetros de distância de Gaza.

Em outro sinal de aproximação, Abbas retirará "muito em breve" as sanções financeiras adotadas em 2017 para forçar o Hamas a negociar, segundo indicou Agha.

- Supervisão egípcia -Diante do risco de uma explosão social, de um menor apoio do Qatar e da pressão do vizinho Egito, o Hamas aceitou, em setembro, o retorno da Autoridade Palestina e seu governo a Gaza, onde na semana passada aconteceu o primeiro conselho de ministros desde 2014.

O movimento islâmico e seu rival laico e moderado iniciaram na terça-feira conversas discretas na capital egípcia para concretizar uma reconciliação que anunciaram com grande pompa na semana passada.

E, apenas dois dias depois, nesta quinta-feira, o Hamas anunciou um acordo "sob os auspícios do Egito".

Os palestinos devem organizar uma coletiva de imprensa no início da tarde para abordar esta questão, segundo Fayez Abu Eita, porta-voz do Fatah e membro da delegação de seu partido no Cairo.

As conversas centraram-se nos aspectos práticos da aproximação entre os dois movimentos palestinos, que estavam em conflito até poucas semanas atrás.

No momento, o conteúdo do acordo é desconhecido, embora uma autoridade palestina tenha anunciado a implantação de 3.000 policiais da Autoridade Palestiniana em Gaza e nas fronteiras com Israel e o Egito.

- Chave para o futuro -Ambos os lados já advertiram que a reconciliação levará tempo. A partilha de poder parece extremamente complicada, uma vez que os interesses das partes são contraditórios.

O resultado da aproximação entre Hamas e Fatah é primordial para o futuro dos palestinos, em primeiro lugar para os dois milhões de habitantes de Gaza, esgotados por três guerras com Israel desde 2008 e vítimas do bloqueio israelense e egípcio, da pobreza, desemprego e de cortes de água e eletricidade.

As divisões palestinas também são vistas como um dos principais obstáculos para encontrar uma saída para o conflito com Israel.
A legitimidade do presidente Abbas, interlocutor de Israel e da comunidade internacional, é minada pelo fato de que o Hamas, considerado um movimento terrorista por Israel, Estados Unidos e União Europeia e como intratável por vários países árabes, governa dois quintos dos habitantes dos Territórios Ocupados.

- 'A experiência' do Hezbollah -O Hamas espera o fim das sanções financeiras impostas por Abbas, como a suspensão do pagamento da energia elétrica fornecida por Israel.

"Nós vamos revisitar estas (sanções) quando o governo puder assumir suas responsabilidades", afirmou o presidente palestino na semana passada.

Quanto à possibilidade de o Hamas assumir a segurança em Gaza, Abbas advertiu que não aceitaria "copiar a experiência do movimento xiita Hezbollah no Líbano".

Por sua vez, o Hamas assegurou que não negociará a entrega de suas armas.

Fatah e Hamas também devem estudar o futuro de dezenas de milhares de funcionários recrutados pelo Hamas desde 2007.

Quanto ao primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, ele advertiu que só concordaria em falar com um governo de unidade palestino se o Hamas desmantelar a sua ala armada, quebrar os laços com o Irã e reconhecer Israel.

Pretensões a priori impossíveis de serem aceitas pelo Hamas.
France Presse
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
Vinícolas destruídas

Nos EUA, sobe a 23 número de mortos em incêndios na Califórnia

Fogo se espalhou rapidamente, impulsionado por fortes ventos e pela pouca umidade

DEFESA PLANETÁRIA

Exercício de defesa durante passagem de asteroide foi bem sucedido

Asteroide se deslocou entre a Terra e a Lua a uma distância mínima menor que 44.000 km, mas longe dos 36.000 km em que os satélites geoestacionários de telecomunicações orbitam.

Acidente aéreo

Espanha: queda de avião militar após desfile do feriado nacional

Aeronave caiu perto da base aérea de Los Llanos, nos arredores da cidade de Albacete, 300 km ao sudoeste da capital.

Barricadas contra potencial ofensiva

Curdistão iraquiano corta brevemente suas estradas

No dia anterior, as autoridades curdas informaram os preparativos pelas forças iraquianas e disseram que temiam um assalto às áreas disputadas de Kirkuk e Mossul.

Libertada família sequestrada por terroristas

Casal foi capturado no Afeganistão em 2012; três filhos teriam nascido durante o cativeiro

CHUVAS TORRENCIAIS

Inundações e deslizamentos matam 37 no Vietnã

País é atingido a cada ano por uma dezena de tempestades e tufões e segundo números oficiais, mais de 170 pessoas morreram ou desapareceram devido a estas intempéries desde o início de 2017.

EGITO

Autoridade Palestina assumirá o controle de Gaza antes de 1º de dezembro

O Hamas e o Fatah do presidente Mahmoud Abbas prometem "ajudar o governo de unidade (...) a exercer suas responsabilidades completas na gestão da Faixa de Gaza, como é o caso na Cisjordânia"

RETIRADA POLÊMICA

Estados Unidos e Israel se retiram da Unesco

EUA alega "preconceito contra Israel", segundo um comunicado oficial e Israel diz que posição anti-israelense é "teatro do absurdo".

MEDIDAS SIGNIFICATIVAS

Reconciliação palestina: um balanço das sanções

O anúncio de um acordo de reconciliação nesta quinta-feira (11) deve levar à suspensão das sanções, na medida decidida por Abbas.

AVANÇO ESTRATÉGICO

Forças sírias tomam bairros de Mayadin, reduto do EI

Desta forma, a única via de fuga para os extremistas islâmicos é o rio Eufrates, que corta Mayadin, de acordo o OSDH, que conta com uma ampla rede de fontes em toda a Síria.

TENSÃO ACIRRADA

Moscou denuncia presença de brigada americana adicional perto de sua fronteira

Porta-voz russo diz que 2ª brigada blindada americana chegou discretamente na Polônia e se instalou com seus veículos blindados

MOVIMENTOS RIVAIS

Fatah e Hamas palestinos: uma década de relações tensas

Acordo pode dar fim às divisões

DIÁLOGO POLÍTICO

Acordo entre UE e Cuba entrará em vigor em 1º de novembro

A aplicação chega no momento mais tenso da crise entre a ilha socialista e os Estados Unidos desde o restabelecimento dos laços diplomáticos em 2015.

REVITALIZAÇÃO

Trudeau visita pela primeira vez México durante tensa negociação do Nafta

O mandatário canadense visitará as instalações da Cruz Vermelha do México, onde foram atendidas muitas vítimas do terremoto de 7,1 graus que sacudiu a capital mexicana em 19 de setembro.

'ANTI-ISRAELENSE'

Unesco: guardiã do patrimônio cultural mundial

Organização já havia sido marginalizada pelos americanos entre 1984 e 2003.

EMISSÕES DE DIÓXIDO DE CARBONO

Paris quer proibir carros a diesel e gasolina

A meta antecipa os planos do governo que - em julho deste ano - disse sonhar que até 2040 não existam mais veículos a diesel e gasolina.

SEM DIÁLOGO

Governo catalão terá até segunda para confirmar se declarou independência

Em Madri, milhares de pessoas foram às ruas para acompanhar os desfiles com o lema "Orgulhosos de ser espanhóis"

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados