VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Quarta-feira, 24 de Maio de 2017
Mundo
16/05/2017

EUA endurece discurso contra Coreia por lançamento de míssil

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

KCNA VIA KNS/AFP
KCNA VIA KNS/AFP - Coreia do Norte realizou dois testes atômicos e dezenas de lançamentos de mísseis desde o ano passado
Coreia do Norte realizou dois testes atômicos e dezenas de lançamentos de mísseis desde o ano passado


Nações Unidas, Estados Unidos - Os Estados Unidos negociavam nessa segunda-feira (15) com a China para chegar a um acordo sobre uma forte condenação do Conselho de Segurança da ONU contra a Coreia do Norte por seu último lançamento de míssil balístico, disseram diplomatas.

O Conselho de Segurança terá nesta terça-feira uma reunião a portas fechadas depois do lançamento, no sábado, de um míssil balístico por parte de Pyongyang.

O Conselho condenou em repetidas ocasiões a Coreia do Norte por seus testes de mísseis, mas diplomatas disseram à AFP que desta vez os Estados Unidos buscam endurecer o discurso para enviar uma firme mensagem a Pyongyang.

"O que precisamos fazer é mandar uma forte mensagem conjunta de que isso é inaceitável, e acredito que veremos a comunidade internacional fazer isso", disse no domingo a embaixadora dos Estados Unidos, Nikki Haley, em entrevista à rede ABC.

Estados Unidos e Japão solicitaram uma reunião do Conselho para tratar o tema da Coreia do Norte, que acontecerá nesta terça-feira às 20h00 GMT (16h00 de Brasília).

Os Estados Unidos discutem com a China um endurecimento das sanções. O gigante asiático é aliado de Pyongyang e seu principal parceiro comercial. "Há muitas sanções que podemos começar a aplicar, seja em petróleo, energia, transporte marítimo ou exportações", disse Haley. "Podemos fazer muitas coisas diferentes do que fizemos até agora, as opções estão aí", acrescentou.

A Coreia do Norte realizou dois testes atômicos e dezenas de lançamentos de mísseis desde o começo do ano passado, em seus esforços de desenvolver um míssil capaz de alcançar o território dos Estados Unidos. Resoluções da ONU proíbem a Coreia do Norte de desenvolver tecnologia nuclear e de mísseis balísticos.

O Conselho de Segurança adotou no ano passado sanções para pressionar a Coreia do Norte e negar a seu líder Kim Jong-Un o financiamento necessário para desenvolver seus programas militares.

Reino Unido e França também pressionam para que o Conselho emita uma dura condenação após o último lançamento. "Obviamente isso tem que ser condenado nos termos mais duros possíveis, muito rápido, e acho que precisamos fazer trabalho de longo prazo para responder à altura os desafios que o regime da Coreia do Norte impõe", disse o embaixador britânico, Matthew Rycroft.

O embaixador da França, Francois Delattre, pediu uma "rápida e firme reação do Conselho de Segurança porque mais uma vez a Coreia do Norte joga uma carta dupla de provocação e escalada", afirmou.
Francepresse
Continue lendo
7
Assine a Folha de Londrina
EDITORIAS
PolíticaGeralMundoCidadesEconomiaEsporteFolha 2OpiniãoFolha MaisEleições 2016Índice de Notícias
SEÇÕES
ChargeColunistasIndicadoresTempoHoróscopoEdição DigitalGaleria de FotosClassificadosCadernos EspeciaisPromoçõesLoterias
SEMANAIS
Folha GenteCarro & CiaImobiliária & CiaSaúdeEmpregos & ConcursosFolha CidadaniaNorte PioneiroMercado DigitalFolha RuralReportagemCozinha & Sabor
CLASSIFICADOS
VrumLugar CertoFolha ClassificadosDiversos
SERVIÇOS
ComercialArquivoCapa do ImpressoExpedienteClube do AssinanteFale ConoscoAviso LegalPolítica de PrivacidadeTrabalhe ConoscoQuem SomosGuia GastronômicoAssine Já!
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados