VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mundo
09/09/2012

Enviado da ONU à Síria avalia ida ao Irã

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O novo enviado da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe à Síria, Lakhdar Brahimi, falou por telefone com o ministro das Relações Exteriores Iraniano, Ali Akbar Salehi, e está avaliando a possibilidade de viajar a Teerã, disse uma autoridade iraniana à agência de notícias Mehr neste domingo.
PUBLICIDADE

Brahimi, que se prepara para a sua primeira visita ao Oriente Médio desde que assumiu a função na semana passada, no lugar de Kofi Annan, teria falado com Salehi na noite de sábado, segundo um dos vice-chanceleres iranianos, Abbas Araqchi, citado na reportagem. "O plano é que ele venha até o Irã em um momento adequado depois de visitar a Síria", destacou Araqchi, que não revelou uma possível data para a visita.

Uma nota do ministério disse que Salehi felicitou Brahimi a respeito de sua nomeação "e desejou-lhe sucesso em sua tarefa". De acordo com o comunicado, os dois discutiram a situação na Síria, e Salehi enfatizou que o Irã gostaria de "uma solução pacífica sem intervenção estrangeira". Brahimi teria destacado o "papel positivo" que pode ser exercido pelo Irã na crise síria e sua busca por uma solução pacífica.

Também neste domingo, o porta-voz do ministério das Relações Exteriores da Síria, Jihad Makdessi, criticou a França por prometer ajudar rebeldes sírios, argumentando que a iniciativa vai minar a missão do enviado da ONU. Makdessi disse que a intenção declarada pela França de ajudar o grupo rebelde Free Syrian Army demonstra "apoio à militarização" do conflito.

Autoridades francesas admitem o fornecimento de ferramentas de comunicação e outros equipamentos não-letais para os rebeldes sírios, mas dizem que não darão armas sem que haja acordo internacional nesse sentido. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.
Agência Estado
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Vítimas de terremoto já passam de 80

Tremor que atingiu Sudoeste da China deixou mais de 500 feridos e 100 mil desabrigados

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados