VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mercado Digital

'Fazer games hoje é infinitamente mais difícil'

Ed Boon diz que quatro pessoas trabalharam no primeiro Mortal Kombat; hoje são necessárias 200 pessoas no desenvolvimento de um game

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Reprodução
Reprodução


Apesar do avanço da tecnologia - ou por causa dela -, hoje é mais difícil de se fazer um jogo de videogame do que era há duas décadas. A opinião é de Ed Boon, 53 anos, um dos principais nomes da indústria dos games. Ele é co-criador da franquia "Mortal Kombat", que completa 25 anos -e que, quando surgiu, foi feito por apenas quatro pessoas, em oito meses. Hoje são 200 pessoas trabalhando [em um game] por dois anos, comparou em entrevista à reportagem por telefone.
PUBLICIDADE

Enquanto as primeiras versões tinham apenas luta, as versões atuais contêm modos de história, como um filme, o que torna o desenvolvimento muito mais complexo.
Boon é diretor da NetherRealm Studios, empresa que pertence à Warner, cujo foco atualmente está no Injustice 2, jogo de luta com super-heróis da DC Comics, como Batman, Mulher-Maravilha e Superman. Ele estará na "Brasil Game Show"maior feira do setor no País, que acontece em São Paulo entre os dias 12 e 15 de outubro.
Confira a entrevista a seguir:

25 anos de Mortal Kombat! O que mudou nesse tempo?
Tudo mudou. O processo de fazer jogos está completamente diferente. O primeiro jogo que fizemos envolveu quatro pessoas, por oito meses. E agora são duzentas pessoas em dois anos. Parece mais com a produção de um grande filme.

É mais difícil produzir jogos hoje?
É infinitamente mais difícil.

Por quê?
O patamar está mais elevado. Nosso primeiro jogo tinha sete personagens, lutando um contra um. E praticamente só isso. Hoje são mais de 30 personagens, gráficos mais sofisticados, 3D. É um processo muito mais elaborado e precisa de mais pessoas de especialidades diferentes.

O senhor acha que a mudança foi tão grande quanto em outros gêneros, como esporte, que se transformaram muito com o passar do tempo?
Se você pensar na ideia básica, de colocar um personagem contra outro personagem, a mudança é menor. Mas a apresentação ficou muito mais sofisticada. E hoje temos muito mais do que só a luta. Temos modos de história, como um filme, e isso foi uma das grandes coisas que diferenciaram nossos jogos, Mortal Kombat e Injustice, da concorrência.

O que esperar para o futuro? Temos muitas tecnologias despontando, realidade virtual...
As mudanças abrem oportunidades. A realidade virtual tem um potencial gigante para novas experiências. No geral, as tecnologias abrem novas portas. Por exemplo, não poderíamos ter feito nosso modo de história em 1992.

E os próximos jogos?
Certamente nossos jogos no futuro seguirão nessa linha, de tecnologias como essa que você mencionou. Elas possibilitarão coisas novas e em todos os nossos jogos sempre queremos fazer algo novo.

Quão difícil é isso de fazer algo novo toda vez?
É um desafio constante. Todo mundo faz jogos. Não só nós, mas também outros estúdios que estão sempre tentando melhorar. Temos que responder à pergunta na cabeça do jogador: Por que eu deveria me importar com o seu jogo com tantas opções? Então é uma constante luta para progredir, do contrário as pessoas esquecem que você existe.

Podemos esperar um novo jogo em breve?
Geralmente lançamos algo novo a cada dois anos. Lançamos o Injustice 2 em maio [deste ano]. Ainda não decidimos uma data, mas provavelmente não terá nada no próximo ano. Agora a prioridade é prestar suporte ao Injustice.

Mas não tem nada em desenvolvimento paralelamente?
Estamos sempre planejando algo. Sempre temos várias ideias em mente.

O que exatamente?
Não podemos discutir isso.

Devemos ver um crossover entre Mortal Kombat e algum outro jogo? Killer Instinct, Tekken, Street Fighter
Falamos muito sobre isso. Muitas pessoas que trabalham na nossa equipe são fãs de jogos de luta. E também gostamos da concorrência. Sempre achamos que seria divertido ver um jogo assim. Mas há muitos fatores envolvidos e questões difíceis, como definir quem vai desenvolver o jogo, qual sistema será a base, quem tomará as decisões finais. Muitos obstáculos.

Mas vocês estão ativamente tentando fazer isso acontecer?
Agora não temos nenhum plano para algo assim.

SERVIÇO
Brasil Game Show
De quinta (12) a domingo (15), das 13h às 21h
No Expo Center Norte, R. José Bernardo Pinto, 1.000, São Paulo
Ingressos de R$ 85 a R$ 400 no local ou em blueticket.com.br, esgotados para o sábado (14)
Raphael Hernandes
Folhapress
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic