VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Mercado Digital
10/08/2017

Autoria dos comentários pode ser descoberta

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O trabalho de conscientização sobre aplicativos como o Sarahah também envolve informações sobre as consequências que o uso inadequado pode trazer. O usuário mal intencionado deve saber que o app permite o anonimato, mas isso não quer dizer que as pessoas realmente estejam anônimas, alerta Cristina. "Quem detém o aplicativo com certeza tem informações."

Emerson Rosa, professor do curso de Redes de Computadores da Faculdade Pitágoras, em Londrina, esclarece que, sendo o usuário cadastrado no Sarahah ou não, suas informações de IP ficam armazenadas nos servidores da empresa que desenvolveu o aplicativo. "Mesmo que a pessoa não seja cadastrada, o comentário saiu de algum IP." As credenciais do usuário, então, podem vir à tona caso seja registrado um Boletim de Ocorrência contra ele.
A entrega de tais informações, no entanto, vai depender de tratados entre os países envolvidos na investigação, e o anonimato não impossibilita, mas dificulta a investigação, encorajando usuários que desejam fazer mau uso do aplicativo. "Por isso deu essa febre e o aplicativo superou as taxas de downloads. Foi feito para algo bom, mas acaba sendo utilizado para algo ruim", conclui.
Já para a advogada Cristina Sleiman, independentemente da dificuldade de acesso a informações de usuários através da empresa desenvolvedora, é possível obtê-las de outras formas. "É muito comum a pessoa contar para um grupo, para o melhor amigo. A informação sempre aparece." De acordo com ela, geralmente o ofensor é uma pessoa próxima, e mesmo que ela seja uma criança, seus pais podem sofrer um processo cível e pagar indenização.(M.F.C.)
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados