VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
PRERROGATIVA DE JUÍZES PODE CAIR

Senado muda Lei Maria da Penha e organizações pedem que Temer vete a proposta

Alteração permite ao delegado de polícia conceder medidas protetivas de urgência às mulheres que sofreram violência e a seus dependentes, uma prerrogativa que hoje é exclusiva dos juízes

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

O Senado aprovou, na terça-feira, 10, Dia Nacional de Luta Contra a Violência à Mulher, projeto que altera a Lei Maria da Penha, a fim de permitir ao delegado de polícia conceder medidas protetivas de urgência às mulheres que sofreram violência e a seus dependentes, uma prerrogativa que hoje é exclusiva dos juízes. A medida foi votada simbolicamente na Casa e anunciada como positiva, mas integrantes do Ministério Público, Defensores Públicos Gerais e organizações feministas criticam as mudanças. Elas pedem que o presidente Michel Temer vete a proposta. 
PUBLICIDADE

O projeto determina que a concessão de medidas pelo delegado só será admitida em caso de risco real ou iminente à vida ou à integridade física e psicológica da mulher e de seus dependentes. A autoridade policial deverá comunicar a decisão ao juiz e também consultar o Ministério Público em até 24 horas, de acordo com a proposta, para definir pela manutenção da decisão. Entre as medidas que podem ser aplicadas em caso de violência, estão a proibição de o agressor manter contato ou se aproximar da ofendida, de seus familiares e das testemunhas, vetando-o de frequentar determinados lugares a fim de preservar a integridade física e psicológica da agredida, e o encaminhamento da mulher à rede de apoio às vítimas de violência.

Na justificativa da proposta de autoria do deputado Sergio Vidigal (PDT-ES), consta que ela acelerará a apreciação dos pedidos, a fim de garantir segurança, e que objetiva promover melhorias no sistema de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. Nesse sentido, também determina que deve ser priorizada a criação de delegacias especializadas de atendimento à mulher (Deam), núcleos investigativos de feminicídio e equipes especializadas para o atendimento e investigação de atos graves de violência contra a mulher; estabelece que a vítima de violência deve ser atendida, preferencialmente, por outras mulheres; e fixa diretrizes para a escuta de vítimas e testemunhas, como a garantia de que sejam ouvidas em local isolado e específico e de que não haverá contato com investigados ou suspeitos.

A mudança, contudo, está longe de ser consensual. Antes mesmo da aprovação da proposta, várias instituições manifestaram-se contra, entre as quais o Grupo Nacional de Direitos Humanos e a Comissão Permanente de Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União; a Comissão Especial para Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais, bem como as organizações que elaboraram o anteprojeto de lei Maria da Penha (Cepia, Cfemea, Cladem e Themis) e outros grupos feministas, de mulheres e de defesa dos direitos humanos.

Diante das mudanças, Leila Linhares Barsted, diretora da ONG CEPIA - Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação e uma das redatoras do texto da Lei Maria da Penha, antecipou a Agência Brasil que organizações que atuam em defesa dos direitos das mulheres pedirão que o presidente Michel Temer vete a proposta.

Ela explica que, em vez de significar avanços, o projeto aprovado subverte a lógica da Lei Maria da Penha e seu foco em garantir acesso das mulheres à Justiça e à rede de apoio, como instituições de acolhimento e de atenção à saúde. "Nós, mulheres que trabalhamos na proposta original, queríamos realmente garantir às mulheres o acesso à Justiça, que é uma garantia prevista não apenas na Constituição, mas especificamente no caso das mulheres, em convenções internacionais das Nações Unidas e da Organização dos Estados Americanos [OEA]", relembra Leila.

Acesso à Justiça

Ela explica que a norma em vigor prevê a competência do Judiciário na determinação de medidas, dando à polícia o dever de orientar a vítima sobre medidas protetivas e outras questões, como registro de ocorrência, além de apoiá-la para buscar pertences em casa. Para Leila, além do direito das mulheres de ter acesso ao Judiciário, isso é importante porque é neste momento que a vítima é acompanhada pela Defensoria Pública, recebe apoio e informações sobre seus direitos. "É uma maneira de fortalecer essas mulheres, sabendo dos seus direitos e requerendo, de forma eficaz, as medidas protetivas, e de afastar mecanismos de conciliação tão comumente utilizados", diz, relatando que, nas delegacias, as mulheres costumam ser discriminadas.

Questionada sobre a eficácia do Judiciário nesse combate, já que 900 mil processos sobre violência doméstica tramitam na Justiça brasileira , a advogada e representante brasileira no Mecanismo de Acompanhamento da Implementação da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a violência contra a Mulher da OEA afirma que "a concessão de medidas protetivas é um ato rápido, enquanto o processo criminal tem que obedecer ao rito de ampla defesa" e destaca que os problemas existentes não pode levar à substituição do Judiciário pelas delegacias de polícia.

A Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) alertou, em nota técnica, que ela pode impedir que as mulheres violentadas apresentem seus pleitos à Justiça. A proposta, para o Conamp, abole a "capacidade postulatória direta da vítima para o juiz para as medidas protetivas de urgência, pois agora apenas se o delegado de polícia entender necessário ele é quem representará ao juiz para a aplicação de outras medidas protetivas".

Direitos do acusado

O órgão defende que a alteração é ilegal. Apontando que a decisão por medidas protetivas de urgência "é uma grave ingerência nos direitos fundamentais do investigado". "A proibição de aproximar-se dos parentes da vítima pode importar, inclusive, na supressão do direito de visita regulamentado por decisão judicial, criando a situação absurda de um despacho policial revogar decisão judicial. E restringir o direito fundamental à liberdade do cidadão".

Opinião semelhante é exposta por Leila Linhares Barsted. Ao mesmo tempo que o Estado tem o dever de punir agressores a fim de que as mulheres sejam protegidas e possam viver sem violência, diz, ele não pode negar direitos aos acusados. "Não podemos ampliar o poder de polícia de limitar a liberdade de indivíduos".
Agência Brasil
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
PADROEIRA

Missa em Aparecida começa com mensagem do papa e vaias a políticos

Governador paulista e ministros presentes à celebração receberam vaias dos fieis

O todo é maior que as partes

As tempestades da história requerem que os humanos sejam capazes de defender o que têm de melhor, mais valoroso e universal

Aos 300 anos, imagem de Aparecida foi atacada e roubada

Estátua da mãe de Jesus apareceu na rede de três pescadores em outubro de 1717

Mais de 85% da população ocupa 1,9% do território do Paraná

Áreas consideradas urbanas no Brasil concentram 190,7 milhões de pessoas

Pesquisadores brasileiros participam de descoberta em planeta anão

Professor da UTFPR está entre os cientistas que identificaram anel em corpo celeste próximo a Plutão

INSEGURANÇA EM PIRITUBA

PM é baleado ao reagir a assalto em minimercado em São Paulo

Bandidos conseguiram fugir e não levaram nada do minimercado.

PELO TWITTER

Em mensagem a devotos de Nossa Senhora, papa pede benção aos desempregados

Publicação foi feita em celebração dos 300 anos em que a imagem da Padroeira do Brasil foi encontrada

CAMINHÃO CONTRA CANAVIEIRO

Acidente com ônibus deixa 1 morto e 36 feridos em rodovia do interior de SP

O ônibus havia saído de São Paulo, capital, e seguia para Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul

PRESIDENTE PRUDENTE

Morre presidente do sindicato dos agentes penitenciários de SP

Grandolfo sofreu acidente de carro na Rodovia Assis Chateaubriand (SP-425), em José Bonifácio, interior de São Paulo.

ESTADO NADA LAICO

Prefeitura de Barra Mansa determina que alunos rezem 'Pai Nosso' na rede pública

Os alunos que se recusarem a rezar devem declarar seu desejo por escrito através de seus responsáveis.

ALTA DE MENINA DE CINCO ANOS

Criança vítima de ataque à creche de Janaúba recebe alta em Belo Horizonte

Permanecem internadas no mesmo hospital seis vítimas do incêndio, que foi provocado pelo vigia da creche, Damião Soares dos Santos.

CORREGEDORIA

PMs são presos por guardar armas, bombas e drogas em UPP

Corregedoria da Polícia Militar descobriu o material em varredura na base

AÇÕES DE APOIO À TRAGÉDIA

Ministro da Saúde libera R$ 2 milhões para vítimas da tragédia em Janaúba

Há uma semana, um incêndio levou a morte de 11 pessoas, das quais nove crianças, uma professora e o segurança da instituição, responsável por atear fogo no local.

Produção de leite longa vida na mira

Blairo Maggi pede mais rigor na fiscalização do comércio de leite hidratado

O artigo 354 do Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal proíbe de forma clara reidratar leite no Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados
HOSPEDADO POR
Hospedado por Mandic