VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
31/01/2014

Presas são levadas para visita íntima na PEL 1

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Londrina – Policiais civis escoltaram três presas do 3° Distrito Policial, na zona oeste de Londrina, até a Penitenciária Estadual de Londrina (PEL) 1, na zona sul, para que as internas fizessem visitas íntimas aos companheiros, que cumprem pena na unidade. A autorização partiu da Vara de Execuções Penais (VEP).
PUBLICIDADE

A visita durou cerca de três horas. Seis investigadores e duas viaturas ficaram envolvidos na "operação" durante toda a tarde. O 3°DP não possui agentes de carceragem e durante esse tempo somente um investigador fez a guarda das 65 mulheres presas no espaço que poderia abrigar, no máximo, 30. Nenhum investigador comentou sobre o desvio de função.
O advogado Victor Hugo de Souza Bastos, que defende as presas, explicou que o artigo 26 da portaria 275 do Departamento de Execução Penal do Paraná (Depen), em vigor desde meados de 2013, garante o benefício. "Toda presa casada, em união estável, tem o direito de realizar visitas íntimas aos parceiros encarcerados pelo menos uma vez por mês. Mas para isso depende da autorização judicial. Nesse caso foi feita pelo juiz (Katsujo Nakadomari) da VEP", detalhou.
Para receber o benefício, alguns detentos chegam ser conduzidos a outras penitenciárias. "Quando o preso está na CCL (Casa de Custódia de Londrina), por exemplo, é transferido até a PEL 1, onde tem o local, um ‘motel’, específico para a realização da visita íntima", concluiu o advogado.
O juiz da VEP, Katsujo Nakadomari, explicou que a decisão foi baseada em uma resolução do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária e do próprio Departamento de Execução Penal do Estado do Paraná (Depen). "Já tomei várias decisões similares a essa anteriormente. É lógico que para fazer uma visita assim tem que ter bom comportamento carcerário e sempre deve ser da presa para o preso, porque o 3º Distrito Policial não tem estrutura para uma visita íntima dessas", declarou.(Colaborou Vítor Ogawa/Reportagem Local)
Paulo Monteiro
Equipe NossoDia
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

PM lança operação contra vandalismo

Meta é impedir ataques a estabelecimentos comerciais

Governo recua e cancela rodízio de policiais no Gaeco

Quadros dos núcleos serão recompostos; não está descartada possibilidade de ampliação

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados