VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Sábado, 24 de Junho de 2017
Geral
19/06/2017

Parada do Orgulho LGBT tem clima de carnaval

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Miguel Schincariol/AFP
Miguel Schincariol/AFP - PM não fez levantamento do número de participantes, mas a expectativa da organização era de reunir pelo menos 2 milhões
PM não fez levantamento do número de participantes, mas a expectativa da organização era de reunir pelo menos 2 milhões

São Paulo - São Paulo teve uma tarde de outono de carnaval na avenida Paulista, promovida pela Parada do Orgulho LGBT. A festa de fevereiro deste ano foi relembrada com garrafa de catuaba na mão, purpurina no rosto, fantasia de unicórnio e maiôs em praticamente todos os 19 trios elétricos que atravessaram a via até uma rua da Consolação lotada.
A única grande diferença da folia momesca esteve no destaque dado às bandeiras de arco-íris, símbolo do Orgulho LGBT. A diversidade manteve-se no público e também na trilha sonora. Além do axé de Daniela Mercury, que cantou ao vivo, ouviu-se sertanejo, samba, funk e muita música eletrônica. A Polícia Militar não fez um levantamento do número de participantes, mas a expectativa da organização era de reunir pelo menos 2 milhões.
Vinda do Ipiranga, no extremo sudeste paulistano, a estudante Letícia Dantas, 22, aproveitou a festa com os amigos no mesmo espírito do carnaval. "Tem a parte política, lutar contra o preconceito, criminalizar a homofobia, que é uma coisa que eu defendo. Mas lógico que tem a festa também, que é muito legal", disse.
De outro lado, havia também muitos curiosos que foram só acompanhar o evento. "(A Parada) é uma festa, mas também é para levar a mensagem da tolerância, do respeito. Por isso que a gente trouxe ele", disse a professora Marta de Souza,39, se referindo ao filho de 5 anos - que estava vestido com uma camiseta do filme Mulher Maravilha e brincava com uma menina do mesmo tamanho, com a fantasia de princesa.
Bruno Ribeiro e Felipe Resk
Agência Estado
Continue lendo
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados