VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
18/06/2013

Marcha acende sinal amarelo no Planalto

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Brasília - Preocupada com a onda de protestos que tomou conta das principais capitais nos últimos dias, a equipe da presidente Dilma Rousseff monitora cada vez mais de perto os movimentos de rua, que assumiram proporções inesperadas. Embora Dilma afirme que manifestações pacíficas são "legítimas e próprias da democracia", a marcha que ontem tomou conta da Esplanada dos Ministérios e da Praça dos Três Poderes acendeu o sinal amarelo no Palácio do Planalto.
PUBLICIDADE

Em conversas reservadas, auxiliares de Dilma avaliam que há um sentimento difuso de contestação a "tudo que está aí", e não só aos R$ 0,20 de aumento na tarifa de transporte - mote para os primeiros dias de fúria em São Paulo e no Rio. O receio, agora, é que a insatisfação fuja do controle e contamine a avaliação dos governos petistas, de Dilma ao prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, prestes a completar seis meses no cargo.
Informações que chegaram ao Palácio do Planalto indicam que as manifestações não têm uma liderança unificada, embora fossem puxadas, inicialmente, pelo Movimento Passe Livre. A Polícia Federal detectou nos protestos integrantes do PSTU, do PSOL, punks, anarquistas e pessoas comuns, sem partido. O problema, porém, é que o Planalto não sabe de onde vêm exatamente os protestos e há, cada vez mais, um acirramento dos ânimos. "Isso é próprio da juventude", disse Dilma, amenizando o desconforto com a situação.
Num momento de escalada da inflação, aumento dos juros, preços mais altos no supermercado e ameaça de desemprego no horizonte, a presidente tenta "vender" otimismo em suas aparições públicas. Ela já definiu os críticos como "pessimistas", "vendedores do caos" e "velhos do Restelo", numa referência ao personagem do clássico "Os Lusíadas", de Luís de Camões.
Vera Rosa, Tânia Monteiro e Leonêncio Nossa
Agência Estado
NOTÍCIAS RELACIONADAS
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO

Os perigos de ‘dar uma voltinha’

Adolescentes ao volante podem representar risco além de uma simples infração de trânsito; no domingo, quatro garotos se feriram em um acidente

Concluída desapropriação da face sul do aeroporto

Medida é necessária para ampliação da pista do terminal

Programa Universidade para Todos

Inscrições do Prouni começam sexta-feira

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados