VOLTAR PARA HOME
Continue tendo acesso ao conteúdo da Folha
   ou   
Cadastre-se pelo Facebook
para ter acesso ao melhor conteúdo do Paraná
VOLTAR PARA HOME
Olá
Assine já para continuar a ler a Folha de Londrina.
Para identificá-lo como assinante, precisamos do seu email e CPF.
VOLTAR PARA HOME
Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante Já sou assinante
Geral
11/08/2017

Cirurgia bariátrica avança no País e pode incluir ainda mais pacientes

Nos últimos cinco anos, número de procedimentos realizados em território nacional aumentou 39%

QR Code
Enviar por Email
Compartilhar
Twettar
Linkedin
Fonte
Comunicar erro
Ler depois

Brasília - Em avanço no País, a cirurgia bariátrica poderá se desvincular da questão do peso e incluir ainda mais pacientes. Nos últimos cinco anos, o número de cirurgias realizadas em território nacional cresceu 39%, de 72 mil em 2012 para 100 mil em 2016, segundo a SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica).
PUBLICIDADE

A maior parte dos procedimentos acontece entre usuários da rede privada e de planos de saúde. No SUS (Sistema Único de Saúde), o avanço é semelhante (35%), mas a escala é menor: de 6.020 em 2012 para 8.157 em 2016, segundo o Ministério da Saúde.

Médicos que atuam no setor atribuem o crescimento à maior disponibilidade de informações sobre a cirurgia e ao avanço da obesidade, que aumentou 60% em dez anos. "E esse número não vai diminuir, a menos que haja uma revolução na parte clínica ou na prevenção", avaliou Caetano Marchesini, presidente da SBCBM. Segundo ele, o número de operados ainda é baixo: menos de 1,5% dos 9 milhões de pacientes elegíveis.

Podem ser candidatos à cirurgia pacientes com IMC (índice de massa corporal, que é o peso dividido pela altura ao quadrado) acima de 40 kg/m² ou maior que 35 kg/m² quando há doenças relacionadas, como diabetes e hipertensão. Mas uma proposta enviada em janeiro ao CFM (Conselho Federal de Medicina) defende a redução do IMC para 30 kg/m² para pacientes de diabetes tipo 2 não controlado.

"Se operarmos só pelo peso, estamos excluindo quem não está sob controle só com remédios, como os diabéticos", disse Ricardo Cohen, do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Oswaldo Cruz.
Segundo ele, a ideia é indicar o procedimento também como alternativa a pacientes no início do tratamento. "Quanto mais precocemente indicar a cirurgia, com menor tempo de uso de insulina, melhores os resultados", disse. Em nota, o CFM afirma que a solicitação está sob análise.

Uma eventual mudança, porém, ainda gera polêmica entre médicos. Para o endocrinologista Bruno Geloneze, da Unicamp (Universidade de Campinas), a tentativa de alterar os critérios para pacientes com diabetes desconsidera o avanço de outras alternativas de tratamento e desconsidera o baixo acesso à bariátrica na rede pública. "Por que vamos diminuir o IMC, ampliar a quantidade de pessoas a serem operadas, sendo que não operamos praticamente ninguém que deveria ser operado?", questionou. "Começa a tendência a operar quem não precisa."
Natália Cancian
Folhapress
PUBLICIDADE
CONTINUE LENDO
SIM À VIDA

Número de doadores efetivos de órgãos cresce 11,8% no País

Paraná é um dos Estados com maior taxa, perdendo apenas para Santa Catarina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Assine a Folha de Londrina
RSS - Resolução máxima 1024x728 - () - Folha de Londrina - Todos os direitos reservados